JOGOS OLÍMPICOS

Litoral paulista vai para a Olimpíada de Paris com 21 representantes

Região terá atletas na natação, judô, surfe, skate, tênis, taekwondo e vela; completam a lista, membros da comissão técnica e chefe de delegação

Rodrigo Florentino
Publicado em 10/07/2024, às 10h54 - Atualizado às 11h29

FacebookTwitterWhatsApp
Um dos destaques da lista é o surfista Gabriel Medina, de Ubatuba, tricampeão mundial do esporte - Miriam Jeske/COB
Um dos destaques da lista é o surfista Gabriel Medina, de Ubatuba, tricampeão mundial do esporte - Miriam Jeske/COB

Com forte tradição no esporte, o litoral paulista vai com uma equipe de peso para os Jogos Olímpicos de Paris, a serem realizados entre os dias 26 de julho e 11 de agosto, na capital da França, e Taiti (Polinésia Francesa) para o surfe. Entre atletas e membros da comissão técnica, são 21 representantes da Baixada Santista e litoral norte, todos com muitos títulos na bagagem.

A natação conta com o maior número de participantes, oito atletas (1 em águas abertas e 7, em piscina) e um técnico, todos da equipe da Universidade Santa Cecília, em Santos, base da seleção brasileira da modalidade. As demais modalidades, com atletas da região nos Jogos Olímpicos, são judô (2); surfe (2); skate (2); tênis de mesa (1); taekwondo (1) e vela (1), além de membros da comissão técnica e do chefe da delegação.

Conheça os atletas

Judô

Em abril deste ano, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) anunciou a primeira lista de convocados para a disputa da Olimpíada. A entidade chamou antecipadamente dez atletas, dos quais duas da Baixada Santista: Beatriz Souza, de Peruíbe, e Larissa Pimenta, de São Vicente.

  • Beatriz Souza(Peruíbe) - +78kg feminino
beatriz souza
Além das medalhas, Beatriz venceu o  prêmio Brasil Olímpico - Lara Monsores/CBJ

Em 2023, foi eleita a melhor judoca no prêmio Brasil Olímpico, a principal premiação do esporte olímpico nacional. Também ganhou uma medalha de ouro no Campeonato Pan-Americano de Judô, em Calgary (Canadá); medalha de ouro no Grand Slam, de Baku (Azerbaijão); ouro no Open de Varsóvia (Polônia); bronze no Mundial de Doha (Catar) e um bronze nos Jogos Pan-Americanos de Santiago no Chile. Ela também terminou como número seis do mundo no ranking da Federação Internacional de Judô.

Larissa Pimenta
Larissa tem medalhas em campeonatos pan-americanos, Jogos Pan-Americanos, Grand Prix, entre outros - Gabriela Sabau/IJF

A judoca conta com um vasto currículo. Entre as conquistas, cinco medalhas de ouro em Campeonatos Pan-Americanos; duas medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos; uma medalha de ouro e duas de bronze em Grand Prix, entre outros prêmios. Essa será sua segunda disputa em Olimpíada.

Siga o Costa Norte no WhatsApp e receba as principais notícias do litoral de São Paulo

Natação

  • Ana Marcela Cunha - águas abertas (antiga maratona aquática)
ana marcela cunha
Ana Marcela Cunha ganhou a medalha de ouro nos Jogos de Tóquio - Fabrício Costa/Unisanta

Participante de quatro olimpíadas, com  medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a nadadora de águas abertas conseguiu a vaga ao ficar em quinto lugar na prova de 10km, do Mundial de Esportes Aquáticos em Doha, no Catar.

Nascida em Salvador, a atleta da Unisanta também conquistou, entre vários títulos, uma inédita medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, e seis títulos do Circuito Mundial de Águas Abertas. Ana Marcela Cunha também foi eleita oito vezes a melhor do mundo e é tetracampeã mundial dos 25km.

Piscinas

Nas piscinas, a Seletiva Olímpica Brasileira de Natação ocorreu no Campeonato Brasileiro Absoluto de Natação, realizado entre os dias 6 e 11 de maio, na Comissão de Desportos da Aeronáutica, no Rio de Janeiro.

Os seguintes atletas também fazem parte da equipe de natação da Unisanta/Fupes, que é base da seleção brasileira.

  • Beatriz Dizotti - 1.500m livre
beatriz dizotti
Beatriz participará de sua segunda Olimpíada - Satiro Sodre/SSPress/CBDA

A nadadora participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio, nos 1.500m nado livre, na primeira Olimpíada em que esse tipo de nado foi realizado. No Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de 2023, no Japão, ficou em sétimo lugar. É a atual campeã brasileira nos 1.500m nado livre Tem também uma medalha de prata na Copa do Mundo de Natação da FINA, nos 1.500m livre em piscina curta, em Toronto/2022.

  • Gabriele Roncatto - 400m livre e 4x200m livre
gabriele roncatto
Esta será sua terceira Olimpíada - Ivan Storti/Unisanta

Já participou de duas Olimpíadas (Rio de Janeiro/2016 e Tóquio/2020). Tem cinco medalhas em Jogos Pan-Americanos, das quais duas de prata (Toronto/2015 e Santiago/2023) e três de bronze (duas em Santiago e uma em Lima/2019). Ficou em quinto lugar no Mundial de Doha nos 400m livre. Em Jogos Sul-Americanos, tem seis medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze.

  • Guilherme Basseto - 4x100m medley misto
guilherme basseto
É o atual campeão brasileiro dos 50m e dos 100m costas - Reprodução/Instagram

O nadador participou da Olimpíada de Tóquio nos 100m costas e no revezamento 4x100 medley e no revezamento 4x100 medley misto. Foi também campeão dos Jogos Mundiais Militares, em 2019, nos 50m costas e medalha de prata nos 100m costas. Nos Jogos Pan-Americanos de Santiago, conseguiu medalha de prata no revezamento 4x100 medley e de bronze no revezamento 4x100 medley misto. É o atual campeão brasileiro dos 50m e dos 100m costas.

  • Guilherme Costa “Cachorrão” - 200m, 400m, 800m livre,  4x200m livre e 10km de águas abertas
guilherme cachorrão
O nadador tem uma medalha de bronze em mundiais e uma participação nos Jogos Olímpicos - Sátiro Sodré/CBDA

Guilherme Cachorrão tem uma medalha de bronze no Mundial de Budapeste (400m livres) e participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio, quando foi finalista nos 800m livre. É o atual detentor do recorde sul-americano em três categorias: 400m, 800m e 1.500m livre.

Ele tem também cinco medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos. Uma em Lima-2019, nos 1.500m livres, e quatro em Santiago-2023 (400m livres, 800m livres, no revezamento 4x200m livres e 1500m livres).

Tem também seis medalhas em Jogos Sul-Americanos: uma de ouro (400m livres) e uma de prata nos 1.500m livres em Cochabamba/2018. Em 2022, em Assunção, capital do Paraguai, conquistou quatro medalhas de ouro nas categorias 400m livres, 800m livres, 1500m livres e no revezamento 4x200 livres.

  • Maria Fernanda Costa - 200m e 400m livre, 4x100m e 4x200m livre
maria fernanda costa
Maria Fernanda estará em sua primeira edição de Jogos Olímpicos - Mauro Pimentel/AFP

A nadadora participará de sua primeira edição em Jogos Olímpicos. Ficou em quarto lugar no Mundial de Doha, nos 400m livre, e em quinto lugar na mesma competição, nos 200m livre.

É a atual campeã brasileira nos 200m, 400m, e 800m livre no Troféu Brasil. A nadadora também detém os recordes sul-americano e brasileiro nos 200m e 400m livre, além do recorde brasileiro nos 800m livre.

Tem três medalhas nos Jogos Pan-Americanos, todas na edição de 2023, em Santiago, no Chile: 200m livre, 400m livre e 4x200 livre. Chegou na final do revezamento 4x200 livre feminino do Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos de 2023.

  • Maria Paula Heitmann - 4x200m livre
    maria paula heitmann
    A nadadora também atuou no esporte universitário dos Estados Unidos - Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Participa de sua primeira Olimpíada. É medalhista de prata nos Jogos Pan-Americanos de Santiago, em 2023, no 4x200 nado livre e é recordista sul-americana dos 400m livre em piscina curta (25 metros).

Nadou no esporte universitário norte-americano pela Universidade de Indiana. A atleta também já participou de duas quebras de recorde: o sul-americano de revezamento 4x200 nado livre, no Troféu José Finkel de 2018, e o recorde sul-americano dos 400m nado livre, no Troféu José Finkel de 2022.

  • Stephanie Balduccini - 4x100m e 4x200m livre e 4x100m medley misto
Stephanie Balduccini
Em 2024, esteve no Mundial de Doha e agora participará de sua segunda Olimpíada - Wander Roberto/COB

Participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ficou em sexto lugar no Mundial de Doha, nos 100m nado livre. É campeã brasileira e sul-americana absoluta da categoria. Tem cinco medalhas em Jogos Pan-Americanos, todas da edição de Santiago/2023. São: uma medalha de ouro (4x100m misto livre); duas de prata (100m livre e 4x200 livre) e duas de bronze (4x100m livre e 4x100m misto medley).

Surfe

O surfista de Itamambuca conseguiu a classificação ao vencer a etapa de J-Bay da World Surf League (WSL), em 2023, enfrentando na final o australiano Ethan Ewing. Filipe conquistou o título da WSL duas vezes, em 2022 e 2023.

filipe toledo e gabriel medina
Filipe Toledo e Gabriel Medina são os principais surfistas do Brasil no momento - World Surf League

Da praia de Maresias, é outro grande nome do surfe mundial: tricampeão mundial da World Surf League (WSL), com títulos em 2014, 2018 e 2021 (neste último derrotou Filipe Toledo na final). Nos Jogos Olímpicos de Tóquio, perdeu a disputa da medalha de bronze para o australiano Owen Wright.

Skate

kelvin hoefler
Em Tóquio, o skatista ganhou a medalha de prata na primeira participação do skate em Jogos Olímpicos - Jeff Pachoud/AFP

Nascido em Itanhaém, viveu por muitos anos no Guarujá, onde começou a praticar skate ainda criança. Começou sua carreira no esporte aos 13 anos. A vaga olímpica veio no pré-olímpico de Budapeste, disputado em junho deste ano. 

Conquistou a medalha de prata no skate street masculino dos Jogos Olímpicos de Tóquio, na estreia da modalidade, e dois títulos do SLS Super Crown World Championship, um dos principais campeonatos do esporte no mundo, em 2015 e em 2021. Ganhou também duas medalhas de ouro no X Games em 2017 e 2018.

gabi mazetto
Gabi conseguiu a vaga para Paris no mesmo campeonato que Kelvin Hoefler - Divulgação

Gabi Mazetto conseguiu a vaga para Paris no Pré-Olímpico de Budapeste, capital da Hungria. Em 2022, a atleta conquistou o título brasileiro de skate street e ficou em sétimo lugar no X-Games de Chiba, no Japão. Foi finalista do Campeonato Mundial em Sharjah, nos Emirados Árabes, terminando em sexto lugar na classificação geral; foi também finalista de duas etapas da Liga Mundial de Skate Street, em Jacksonville (EUA), e no Rio de Janeiro, na grande final. Desde 2018, participa da seleção brasileira de skate street. Quase participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio, mas teve que adiar o projeto devido a uma gravidez. Quando criança, praticava ginástica artística.

Tênis de mesa

guilherme teodoro
Guilherme conseguiu a vaga em Pan-Americano - Miriam Jeske/CBTM

O atleta da Unisanta e número 119 do ranking mundial se classificou para Paris na disputa por equipes e de duplas mistas.

Conseguiu a vaga com a conquista da medalha de ouro no Campeonato Pan-Americano da modalidade, em setembro do ano passado. Foi quatro vezes campeão nacional e também campeão sul-americano em junho deste ano.

Taekwondo

maria clara pacheco
Maria Clara estará em sua primeira Olimpíada - Gaspar Nóbrega/COB

A atleta de 20 anos conquistou a vaga para a sua primeira Olimpíada ao vencer duas lutas e chegar à final do Pré-Olímpico das Américas de Santo Domingo, na República Dominicana, na categoria até 57kg. Tem em seu currículo uma medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Santiago, em 2023, além de uma medalha de bronze no Mundial de Taekwondo de 2022 em Baku, no Azerbaijão.

Vela

  • Mateus Isaac
mateus isaac
Além de praticante de vela, Mateus Isaac também foi jogador de futebol - Acervo pessoal

Nascido em São Paulo, começou a velejar em Ilhabela aos sete anos de idade com o incentivo do pai, que também praticava o esporte. Foi jogador de futebol das categorias de base do Figueirense e do Vasco.

Na disputa do Mundial de Haia (Holanda), ficou em 16º lugar na classe IQ Foil, o bastante para atingir o índice estabelecido pela Confederação Brasileira de Vela, para ir aos Jogos Olímpicos na estreia da modalidade. Tem uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santiago.

Staff

  • Rogério Sampaio (Santos) - chefe da delegação
rogério sampaio
Rogério foi medalhista de ouro no judô da Olimpíada de 1992, em Barcelona - Miriam Jeske/COB

Abrindo a lista da comissão técnica, temos o diretor-geral do Comitê Olímpico do Brasil e chefe da Missão Brasileira na Olimpíada de Paris. Ex-judoca, Rogério Sampaio tem a única medalha de ouro individual do Brasil nos Jogos de Barcelona, em 1992, na categoria até 65kg. Nesse ano, venceu o prêmio de melhor judoca do mundo pela Federação Internacional de Judô. Foi diretor-presidente da Fundação Pró-Esporte de Santos.

  • Priscila Marques(Santos) - fisioterapeuta
priscila marques
Priscila participou das Olimpíadas como judoca e membro do staff - Divulgação

A agora fisioterapeuta estará em sua terceira participação em olimpíadas. Antes, como atleta de judô, participou dos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000. Tem duas medalhas de bronze nos Jogos Pan-Americanos: 1999, em Winnipeg, e 2007, no Rio de Janeiro, além de sete medalhas em Pan-Americanos da modalidade: quatro de prata e três de bronze. Fora do tatame, participou da Olimpíada do Rio, em 2016, como fisioterapeuta da nadadora Ana Marcela Cunha e da delegação de judô.

  • Andrea Berti(Santos) - técnica de judô
andrea berti
Andrea participou de duas Olimpíadas - Acervo pessoal

Será a primeira treinadora do litoral a comandar a seleção brasileira olímpica feminina de judô. Ela também é a primeira judoca da Baixada Santista a ir para uma Olimpíada, com participação na edição de Barcelona/1992.

Disputou também a edição de 1996 em Atlanta, nos Estados Unidos, e foi como reserva para os Jogos de Sydney em 2000.

Vencedora de uma medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1995, em Mar del Plata (Argentina), ganhou também quatro medalhas em campeonatos pan-americanos da modalidade: uma de ouro, uma de prata e duas de bronze.

  • Marcel Nascimento Ferreira - treinador da natação
marcel nascimento ferreira
Técnico da Unisanta/FUPES, já atuou como treinador da Seleção Brasileira - Reprodução/Instagram

Contratado em janeiro de 2023, Marcel possui carreira vitoriosa em clubes de São Paulo. Foi campeão do Troféu Maria Lenk 2014 com o Corinthians; é também treinador de medalhistas e campeões brasileiros.

Já atuou como técnico da seleção brasileira no Campeonato Sul-Americano de 2022. Foi campeão brasileiro júnior do Troféu Júlio Delamare em 2022.

Além de ser técnico da equipe principal da Universidade Santa Cecília, também é coordenador de natação da mesma equipe.

O treinador irá compor a equipe de águas abertas da nadadora Ana Marcela Cunha, que disputará a distância de 10km em águas abertas, nos Jogos Olímpicos de Paris.

Acompanhe o Costa Norte no Google Notícias

Rodrigo Florentino

Rodrigo Florentino

Formação e faculdade: Comunicação Social (Jornalismo) - Universidade Santa Cecília (Unisanta)

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!