Prefeitura de Santos e Fundação Lusíada construirão até 10 policlínicas

marina
Publicado em 28/12/2017, às 08h54 - Atualizado em 23/08/2020, às 16h17

FacebookTwitterWhatsApp
marina
marina
Parceria entre as entidades define um ano para viabilizar os terrenos e dois anos para a construção

As unidades básicas de saúde, em Santos conhecidas como policlínicas, são a porta de entrada dos pacientes no sistema público de saúde. A rede de Atenção Básica da cidade passou nos últimos anos por uma ampla reestruturação e agora terá uma nova fase de investimentos com a construção de até 10 policlínicas, sem custos para a administração municipal.

A medida está prevista no termo de compromisso assinado nesta quinta, 28, pela manhã entre a Prefeitura de Santos e a Fundação Lusíada, mantenedora do Centro Universitário Lusíada (Unilus), o qual forma profissionais em Medicina e outras áreas da Saúde. As novas edificações terão o mesmo padrão das últimas unidades abertas pela prefeitura, que ficará responsável pelos projetos.

O prefeito Paulo Alexandre Barbosa comemorou os avanços. “Estas unidades, somadas às já feitas pelo Município, vão dar um novo padrão e estruturação para a Atenção Básica, a maior da história de Santos. A nova parceria traz ganhos compartilhados para a cidade, à universidade e à população”, disse, relembrando a construção nos últimos anos de 10 novas policlínicas (oito entregues e duas em andamento), em bairros como o Aparecida, Morro São Bento, Bom Retiro e Caruara, entre outros.

Pela parceria, a aquisição dos terrenos e a obra civil ficarão a cargo da Fundação Lusíada, cujos alunos terão campo de estágio nas novas unidades, que pertencerão à instituição e serão cedidas em comodato à prefeitura por 30 anos, prorrogável por igual período. Pelo acordo, a Fundação tem 1 ano para viabilizar o terreno e 2 anos para a construção.

O secretário municipal de Saúde, Fábio Ferraz, afirmou que a Lusíada foi parceira da prefeitura na construção do moderno prédio da UPA Central – que em janeiro completa dois anos de funcionamento - e conta com mais de 900 universitários atuando em estágios na própria UPA e outras unidades de saúde.

Desde agosto deste ano, a universidade também atende alunos da rede municipal de ensino na área de Pediatria no seu Centro de Saúde Escola, em atividade que integra o programa Saúde na Escola, parceria entre as secretarias de Saúde e Educação.  “Esta é mais uma oportunidade de aprimorar os nossos serviços e de qualificação dos futuros profissionais”, ressaltou Ferraz.

Estuário

Um dos bairros a ser contemplado com a construção de nova unidade de saúde é o Estuário, que não possui policlínica. O objetivo é diminuir a demanda das policlínicas Embaré e Ponta da Praia, que atualmente atendem os moradores da área.

As demais unidades a serem construídas substituirão outras já existentes, em especial as que estão em imóveis alugados e as que necessitam de espaço físico maior para o melhor atendimento da população. A definição dos locais estará atrelada à disponibilidade de terrenos nos bairros.

Foto: Reprodução/Internet

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!