Prefeitura contratará empresa para administrar UPA e Hospital

Costa Norte
Publicado em 31/03/2017, às 08h56 - Atualizado em 23/08/2020, às 15h54

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte
Processo de escolha foi iniciado e contratação ocorrerá ao fim do estado de emergência financeira

Bertioga segue em situação excepcional de emergência na saúde desde o dia 19 de novembro de 2016. O decreto 2.637/16, válido por 90 dias, foi prorrogado por mais 90 dias. Para atender a demanda de serviços por este período, a Secretaria de Saúde publicou um termo de ratificação com dispensa de licitação listando as empresas contratadas pelo período de três meses para atuar na área. O ato foi divulgado no Boletim Oficial do Município (BOM), de Bertioga, no dia 25 de março de 2017.

Ao final dos 90 dias, não será possível prorrogar o decreto e a prefeitura deverá contratar uma Organização Social de Saúde (OSS) para administrar os serviços da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e o Hospital de Bertioga. Segundo o secretário de Saúde Jurandyr José Teixeira das Neves, a equipe está em processo de qualificação. "Escolhemos voltar a contratar uma OSS; abrimos um processo de intenção e organizações entraram em contato. Já tínhamos selecionado as mais qualificadas, quando outras empresas entraram e agora estamos avaliando".

Com relação às contratações anunciadas, a única novidade é o contrato com a São Francisco Serviços Médicos Ltda., que fornece os serviços de médicos clínicos, cirurgiões, pediatras, ortopedistas, anestesistas, hematologistas, psiquiatras, fonoaudiólogos e infectologistas. Desse quadro, a Saúde possui uma equipe composta de oito médicos (três clínicos, dois pediatras, um ortopedista, um anestesista e um cirurgião) por turno. Devido aos horários, cerca de 90 médicos cumprem as devidas funções e geram o custo de R$ 2.201.400,00 em três meses. As outras oito empresas renovaram o contrato.

Questionado sobre a situação problemática do setor, Jurandyr afirmou que três meses não são suficientes para adequar a área. Segundo explicou, "a infraestrutura do hospital é um dos principais problemas. De cada 100 equipamentos do hospital, pelo menos 40 estão no fim de carreira. Estamos em um processo de reposição que vai levar, pelo menos, seis meses".

O alto índice de mortalidade infantil da cidade também é um fator que demandará tempo para ser reduzido. "Por que isso acontece? Parto mal feito? Não acredito nisso. Pré-natal mal feito? Talvez. Falta de infraestrutura? Talvez. Eu vou começar a sentir a diferença depois de nove meses, preciso colocar todas as grávidas dentro de um pré-natal decente. Mas acredito que em seis meses teremos um ordenamento da história".

Recentemente, vereadores denunciaram a reclamação de pacientes sobre a falta de médicos e medicamentos. O problema é grave, mas Jurandyr afirma que a falta de médicos ocorre devido à falta de responsabilidade dos profissionais.

Quanto aos remédios, o secretário confirmou a desorganização das finanças. "Quando foi feito contrato emergencial, programou-se ter medicamentos até 15 de janeiro. A comissão da época comprou remédios para 45 dias. Só que, quando entramos aqui, havia saldos devedores, restos a pagar e todo o processo de compra começou a furar. Começamos a atrasar o pagamento de fornecedor. Estamos devendo R$ 15 mil para um fornecedor grande há 15 dias; ele parou o fornecimento".

Segundo Jurandyr, no verão há mais acidentes e pessoas desidratadas, o que ocasionou uma demanda por medicamentos maior do que o previsto. "Antes, com a Corpore, era mais fácil. Eles tinham agilidade de comprar como uma empresa privada. Nós ficamos com um intervalo pequeno de tempo para comprar o que faltava, tem que abrir processo licitatório, cotar preço do mercado, isso demora tempo".

Atualmente, estão listados 267 tipos de medicamentos para o hospital. "Se faltaram cinco itens foi muito. Faltou Dramin, por exemplo, mas eu tinha Plasil, eu tinha equivalentes. Recebi uma reclamação de uma senhora que tomava um tipo de insulina que não tinha, mas não podemos ter prateleiras de farmácia, eu padronizo", justificou.

Marina Aguiar

Foto: Arquivo/ JCN

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!