Luz na Infância

Operação contra pedofilia prende três na Baixada

Um soldado do Exército, um contador e um servidor público municipal foram encontrados com conteúdos criminosos e tiveram seus equipamentos de informática apreendidos

Da Redação
Publicado em 23/11/2018, às 12h46 - Atualizado em 23/08/2020, às 18h00

FacebookTwitterWhatsApp
Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, divulgou o balanço da operação na quinta-feira, 22 - Valter Campanato/Agência Brasi
Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, divulgou o balanço da operação na quinta-feira, 22 - Valter Campanato/Agência Brasi

Durante a terceira fase da Operação Luz na Infância, deflagrada em âmbito nacional, na quinta-feira, 22, equipes da Polícia Civil prenderam três homens na Baixada Santista por pedofilia pela internet. 

Um soldado do Exército, um contador e um servidor público municipal foram encontrados com conteúdos criminosos e tiveram seus equipamentos de  informática apreendidos.

A 4ª Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Criança e Adolescente, responsável pela operação, rastreou o endereço eletrônico e comunicações relacionadas a esse tipo de crime e chegaram até os autores. Os três são originários das cidades de Mongaguá, São Vicente e Guarujá.

As informações coletadas foram passadas para os policiais da Baixada e os mandados de busca e apreensão foram expedidos para realizar a vistoria nas residências. 

Um dos indiciados foi o soldado do Exército Cleiton Souza de Jesus, de 24 anos, preso em sua casa na área continental de São Vicente. Com ele, foram encontradas grandes quantidades de conteúdo pornográfico, que, segundo o acusado, foram baixadas sem querer quando acessou site de jogos. 

Um notebook, dois celulares e um pen drive foram apreendidos e periciados pelo Instituto de Criminalística (IC), que identificou “arquivos ocultos” relacionados à pornografia infantil. Ele foi autuado pelo crime de armazenamento de cena de sexo explícito ou pornográfico envolvendo criança ou adolescente. O militar foi escoltado até o 2º Grupo de Artilharia Antiaérea (2° GAAAe), localizado em Praia Grande, onde está lotado e aguardará decisão da Justiça recolhido em uma cela.

O contador Edivaldo Pereira, de 57 anos, foi preso no Balneário Santa Eugênia, em Mongaguá, com cerca de 500 vídeos de menores de idade em cenas de sexo explícito e fotos relacionadas à pedofilia. Ao ser questionado sobre o conteúdo, ele alegou ter para apenas assistir e negou compartilhá-los ou produzi-los. 

Embora ele tenha dito que possui os arquivos há cerca de 20 anos, foram encontradas fotos com datas de 2017. Ele foi autuado em flagrante e seu computador e HD externo foram apreendidos e passaram por perícia, já que há suspeita do compartilhamento dos vídeos e das fotos, além da hipótese de o acusado tê-los produzido.

Já o terceiro acusado, o funcionário público municipal Reinaldo Silva Santos, de 51 anos, não foi localizado em sua residência, no Jardim Primavera, em Guarujá. Mas segundo apurado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, ele estaria em São Carlos. Policiais Civis da cidade onde o servidor estava foram avisados e ele foi preso em flagrante. No celular e notebook dele, havia arquivos de pornografia infantil e vestígios de troca desses conteúdos. 

Segundo divulgado pelo ministro da Segurança Pública Raul Jungmann, a operação resultou na prisão de 61 pessoas. A Operação Luz na Infância teve início em outubro de 2017, quando foram cumpridos 157 mandados e 112 acusados foram presos. Na segunda, que ocorreu em maio deste ano, 579 mandados de busca foram cumpridos e 251 pessoas presas.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!