19 dias de buscas ininterruptas

Costa Norte
Publicado em 16/08/2016, às 13h34 - Atualizado em 23/08/2020, às 15h24

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

*Foto: JCN

Familiares e amigos dos tripulantes da embarcação Anjo Gabriel I, desaparecida em 29 de julho, realizarão dois pedágios em apoio às buscas. Nesta quarta-feira, 17, eles estarão na avenida 19 de Maio, em frente ao supermercado Krill, das 14h às 17 horas, para arrecadar alimentos. Já na quinta-feira, no mesmo horário, o grupo estará na avenida Anchieta, no Centro, em frente ao Posto BR, para arrecadar combustível.

Já se passaram 19 dias desde a saída da embarcação Anjo Gabriel I, da Náutica Polygon, em Bertioga. Naquele dia 29 de julho, sete homens embarcaram para uma pescaria rumo à ilha de Alcatrazes, em São Sebastião, por volta das 16 horas e tinha previsão de retornar por volta do meio-dia de sábado, conforme informaram os familiares. Mas não retornaram. Desde então, a família, apoiada pela Capitania dos Portos, iniciou uma luta contra o tempo para encontrar os tripulantes. No dia 5 desde mês, os corpos de Vandir do Carmo, Natalino Morita e Rogério Viana foram resgatados, a cerca de quatro milhas da Laje de Santos, segundo informou a Capitania dos Portos de São Paulo.

As buscas continuam para encontrar Fábio Garbin, Dyone Amorim Neves, Ismael dos Santos e Renato Molinari.  Segundo Eulália Batista, prima de Dyone Amorim Neves, 30 pessoas continuam a procura, dia e dia e noite, com seis barcos e oito lanchas. No sábado, 13, o grupo saiu sentido litoral norte, para vistoriar as ilhas daquela região, e retornaram ontem, sem nenhuma notícia. Amanhã, eles voltam ao mar, desta vez, sentido litoral sul. “Vamos continuar até encontrar. Enquanto não aparecer, a gente não vai parar”, disse Eulália.

Segundo informado anteriormente pelo capitão dos Portos, na semana passada, “a questão de buscas para seres humanos, em caso de náufrago no mar, obedece uma convenção internacional, que estabelece que as buscas devem ser mantidas até que se tenha completa impossibilidade de ter sobreviventes ou de ter sucesso. Para esta busca, não existe limite definido para término”. Desde o desaparecimento da embarcação foram destacadas embarcações do Grupamento de Bombeiros Marítimo, da Polícia Ambiental; uma aeronave Salvaero de Curitiba; e um navio patrulha oceânico. Esta semana, a Capitania dos Portos, informou que as buscas continuam com os Bombeiros e Marinha, com embarcações menores e que o navio patrulha oceânico retornou para o Rio de Janeiro.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!