Doenças sazonais somam mais de dois mil atendimentos em Bertioga

Da Redação
Publicado em 23/01/2020, às 10h41 - Atualizado em 24/08/2020, às 06h55

FacebookTwitterWhatsApp
Ana Carolina/JCN
Ana Carolina/JCN

Férias, calor, e as cidades litorâneas tornam-se  refúgio de quem vive nas grandes metrópoles. Bertioga é um desses destinos e tem, nesta época do ano, um expressivo aumento da população: além dos seus 63.249, segundo censo do IBGE de 2019, recebe em torno de 400 mil visitantes, crescimento que reflete diretamente nos serviços públicos do município, dentre eles, a saúde. Segundo levantamento da Secretaria de Saúde, realizado durante 10 dias, entre os feriados de Natal e Ano-Novo, houve acréscimo de 85,9% no número de pacientes atendidos na Unidade de Pronto Atendimento do Hospital Bertioga - INTS. Atualmente, a unidade realiza, em média, 900 atendimentos/dia. 

Neste período de temporada, aumenta também o número de doenças sazonais, e muitas pessoas buscam o atendimento com o mesmo tipo de sintoma. De acordo com o INTS, os principais casos atendidos neste período, entre dezembro e janeiro, foram de gastroenterecolites, vômitos e diarreias (1.014 casos); mialgias (337 casos); amigdalites (320 casos); alergias (255 casos); e hipertensão arterial (251 casos). Outras doenças atendidas foram: infecção de vias aéreas superiores, infecção do trato urinário e otite.

O Hospital de Bertioga - INTS - é, ainda, o único serviço de saúde em um raio de 45km para atendimento de pacientes vítimas de acidentes em rodovias como a Rio-Santos e Mogi-Bertioga, além de outras ocorrências. Aberto 24 horas, é considerado de pequeno porte e, em sua estrutura física, é composto de: Unidade de Pronto Atendimento e setores de clínica médica, clínica cirúrgica, ortopedia, centro cirúrgico, centro obstétrico, maternidade e pediatria.

Para maior agilidade, a unidade conta com serviço de acolhimento com classificação de risco, ferramenta de organização da fila de espera no serviço de saúde, para que o atendimento aos pacientes seja por prioridade e, não, por ordem de chegada. A administração do hospital explica: “Todos os usuários  que procuram o serviço  passam pelo acolhimento com classificação de risco e, com isso, apesar do aumento intenso do fluxo de pacientes, conseguimos identificar as urgências e emergências, prestando um atendimento de qualidade e segurança”. 

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!