FOLGA

Dia 9 de julho é feriado ou ponto facultativo? Entenda a data

Data lembra a Revolução Constitucionalista de 1932, um levante armado do estado de São Paulo contra o governo provisório de Getúlio Vargas

Esther Zancan
Publicado em 05/07/2024, às 10h10 - Atualizado às 10h23

FacebookTwitterWhatsApp
Dia 9 de julho é feriado em SP há 27 anos - Divulgação/Governo de SP
Dia 9 de julho é feriado em SP há 27 anos - Divulgação/Governo de SP

Em um ano com escassos feriados, a boa notícia, ao menos para os paulistas, é que a próxima terça-feira, dia 9 de julho, é feriado no estado de São Paulo. E, por cair em uma terça-feira, será um feriado prolongado, algo que só teremos novamente em novembro, no feriado da Proclamação da República (15 de novembro, uma sexta-feira). Mas, será mesmo que o 9 de julho é um feriado oficial ou apenas mais um ponto facultativo?

A data, que lembra a Revolução Constitucionalista de 1932, foi instituída como feriado em todo o estado de São Paulo em 1997, portanto há 27 anos, pelo então governador Mário Covas. A data é um feriado de fato, apenas sua abrangência não é nacional, é apenas no território paulista.

Siga o Costa Norte no WhatsApp e receba as principais notícias do litoral de São Paulo 

Por feriado entende-se que o setor privado e também parte do setor público paralisam as atividades obrigatoriamente. Apenas os serviços essenciais permanecem em funcionamento. Os demais até podem funcionar, mas, normalmente, o funcionário tem direito a uma remuneração em dobro pelo dia trabalhado, conforme o acordo coletivo de cada categoria. 

Já o ponto facultativo é uma data instituída por lei na qual se permite a dispensa do trabalho, embora não seja obrigatória. Cabe a cada empresa decidir se vai ou não manter seu funcionamento normal. Neste ano, a segunda-feira (8) será considerada ponto facultativo no estado de São Paulo. 

Revolução Constitucionalista

A Revolução Constitucionalista  de 1932 foi um levante armado do estado de São Paulo contra o governo provisório de Getúlio Vargas, instituído dois anos antes, por meio de um golpe de Estado. A revolta eclodiu no dia 9 de julho de 1932 e reivindicava uma nova Constituição (daí o nome Constitucionalista) e novas eleições presidenciais. 

Veja também

Quando Vargas assumiu o poder, em 1930, ele anulou a Constituição de 1891, fechou o Congresso Nacional, extinguiu os partidos políticos e nomeou interventores para os estados, o que, por muitas vezes, não agradou políticos locais, caso de São Paulo, o que começou a gerar insatisfação e protestos.

Em 23 de maio de 1932, uma manifestação contra o governo de Vargas culminou na morte de quatro estudantes: Mário Martins Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Camargo de Andrade. Surgiu desse acontecimento um movimento com as iniciais dos quatro estudantes mortos, o MMDC, que teve papel importante na mobilização para a luta, já que a violência contra os manifestantes fez aumentar o apoio da classe média do estado à causa constitucionalista e contra o governo de Getúlio Vargas. 

Cartazes da Revolução de 32
Cartaz convocando a população à luta e cartão-postal postal em homenagem ao MMDC - Reprodução/Wikipédia/Wikimedia Commons 

São Paulo contou, até o início do confronto, com o apoio dos estados de Mato Grosso e Rio Grande do Sul, também estavam insatisfeitos com o governo de Vargas. Mas, quando a revolução enfim começou, os dois estados escolheram ficar do lado de Vargas. Foi em 9 de julho de 1932 que teve início a luta armada. Jovens foram convocados para lutarem nos campos de batalha. Sem o apoio dos mato-grossenses e dos gaúchos, os paulistas lutaram sozinhos. 

Acompanhe o Costa Norte no Google Notícias

Em 1º de outubro de 1932, às vésperas de se completarem quatro meses de conflito, os paulistas se renderam, pois não contavam mais com soldados e nem provisões suficientes para seguir na batalha contra o governo de Vargas. Registros oficiais dão conta de 934 mortos no combate, mas existem versões de que houve um número muito maior de vítimas fatais.

Soldados embarcando em trem
Soldados paulistas prestes a embarcar em trem - Reprodução/Wikipédia/Wikimedia Commons 

Apesar da derrota paulista, em 1933 foi realizada a Assembleia Nacional Constituinte, para a elaboração da nova Constituição brasileira. O Congresso Nacional também foi reaberto e os partidos políticos voltaram a atuar. Getúlio Vargas foi eleito presidente de forma indireta, o que colocou um ponto final do período do governo provisório. 

Com informações de Brasil Escola

Esther Zancan

Esther Zancan

Formada pela Universidade Santa Cecília, Santos (SP). Possui experiência como redatora em diversas mídias e em assessoria de imprensa.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!