Negócios

Cubatão oferece incentivos às indústrias

Além da estrutura e localização privilegiadas, empresas terão benefícios fiscais ao se instalarem na cidade

Da Redação
Publicado em 28/03/2018, às 08h59 - Atualizado em 23/08/2020, às 16h38

FacebookTwitterWhatsApp
Apresentação objetivou atrair novos investimentos para a cidade - PMC
Apresentação objetivou atrair novos investimentos para a cidade - PMC

Com o objetivo de atrair indústrias, novos investimentos e desenvolvimento para a cidade, o Centro de Integração e Desenvolvimento do Polo de Cubatão (Cide) e a prefeitura de Cubatão realizaram o evento Cubatão – A Fábrica de Oportunidades, no dia 23 , em São Paulo, no auditório do Condomínio Millenium, sede da  Associação Brasileira da Indústria Química- Abiquim.

O prefeito Ademário da Silva Oliveira apresentou a palestra Cubatão: uma cidade para novos investimentos, na qual contou sobre o trabalho desenvolvido para executar a recuperação ambiental da cidade. Oliveira lembrou que o município já teve a maior renda per capita do país, devido ao desenvolvimento promovido pela instalação de várias indústrias, mas a crise econômica recente e gestões que não aproveitaram a época da bonança afetaram a cidade: “Cubatão foi símbolo de riqueza, que, infelizmente, não foi traduzido em bem-estar social”.

Ele tem atuado para atrair novos investimentos à cidade e disse que, atualmente, existem mais de 2 milhões de metros quadrados aptos a receber novas plantas e investimentos. Além da estrutura da cidade, localizada próxima ao porto de Santos e da capital paulista, as empresas que se instalarem em Cubatão terão incentivos, dependendo do grau de investimento, como  isenção total de IPTU e ISS. “Temos um setor específico de planejamento para receber os novos investimentos e atendimento prioritário para desburocratizar os processos”.

O deputado federal João Paulo Papa (PSDB/SP) e presidente da Frente Parlamentar da Química (FPQuímica), ex-prefeito de Santos por dois mandatos, de 2005 a 2012, elogiou a prefeitura de Cubatão para a recuperação da região. E explicou que a atuação de um prefeito deve ser a de condutor da economia de seu município. “É onde o prefeito pode fazer a diferença, que é cuidar da economia local; ele precisa enxergar o potencial e as ferramentas que a cidade tem para fazer a economia voltar a crescer. É preciso usar os instrumentos possíveis para atrair capital e permitir que a cidade possa entrar nos trilhos”.

O diretor do Cide, do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) em Cubatão e diretor-presidente da Vale Cubatão Fertilizantes, Valdir José Caobianco, fez a apresentação de Cubatão: a Fábrica de Oportunidades para o desenvolvimento da Indústria, na qual demonstrou onze motivos para as empresas se instalarem no polo industrial da cidade.

Caobianco explicou que as empresas têm o apoio institucional em áreas estratégicas, como segurança, por meio do Plano de Auxílio Mútuo, recursos humanos, jurídico, médico e diálogo com a comunidade por meio do Conselho Comunitário Consultivo (CCC). Entre outros benefícios, a cidade também oferece uma malha abundante de energia e água, além de uma malha logística completa com ferrovias que ligam as indústrias do interior do estado a outros estados; e, em seu polo industrial, são fabricados produtos usados em diversos segmentos industriais. Outro destaque da cidade é seu reconhecimento pela Organização das Nações Unidas (ONU), como exemplo de recuperação ambiental, tendo sido cidade-símbolo da sustentabilidade na Rio+20.

O presidente-executivo da Abiquim Fernando Figueiredo destacou a importância da revitalização do polo de Cubatão, que já conta com uma infraestrutura de logística, energia e recursos hídricos para receber novas plantas. A programação também contou com a apresentação de Como aproveitar as oportunidades da recuperação,  do economista e apresentador do programa Manhattan Connection Ricardo Amorim, que explicou os ciclos econômicos brasileiros desde 2003, os efeitos das políticas econômicas e como a população tende a ser muito otimista durantes os anos de crescimento econômico e, pessimista, em momentos de crise.

O evento teve o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp); do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp); do Sindicato das Indústrias de Produtos Químicos para Fins Industriais e da Petroquímica no Estado de São Paulo (Sinproquim); da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq); da Associação Brasileira da Indústria de Artefatos de Borracha (Abiarb); do Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha e da Reforma de Pneus no Estado de São Paulo (Sindibor); da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast); do Sindicato Nacional da Indústria para Fertilizantes (Sinprifert); e da Abiquim.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!