Atos Antidemocráticos

Ciro Gomes critica decisões do STF

“As prisões preventivas são sempre uma excepcionalidade que não se deveria usar”, afirmou o vice-presidente do PDT

Matheus Alves
Publicado em 08/07/2020, às 10h55 - Atualizado em 24/08/2020, às 00h03

FacebookTwitterWhatsApp
Reprodução/Internet
Reprodução/Internet

Em entrevista concedida nesta terça-feira, 7, ao programa Café da Manhã, da TV Cultura Litoral, o vice-presidente do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Ciro Gomes, fez críticas às decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) referente a investigação que apura suposta organização de atos contra a democracia.

Ciro declarou: “Em tese o judiciário não deveria tomar iniciativa, porque é ele que julga. Quem deveria tomar iniciativa seria ou a polícia ou o Ministério Público mediante uma notícia-crime. Foi exótico o próprio ministro Toffoli determinar a abertura de um inquérito e escolher ele próprio o relator sem ter sorteio.”

O vice-presidente do PDT declarou ser contra as prisões preventivas impostas pela suprema corte para alvos do inquérito aberto pelo ministro Alexandre de Moraes, em abril deste ano.

“As prisões preventivas são sempre uma excepcionalidade que não se deveria usar. A não ser em casos extremos previstos na lei. Por exemplo: impedimento da execução da lei penal, ou então a destruição de provas. E não parece, em todos os casos, que isso aconteceu. Evidentemente existem os exageros por parte dos investigados, e isso tudo tem que ser punido, mas pelo devido processo legal, e que a prisão seja o fim do procedimento e não o começo”, afirmou Ciro Gomes.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!