Afastado pelo INSS critica corte de benefícios

Costa Norte
Publicado em 12/05/2017, às 11h45 - Atualizado em 23/08/2020, às 15h58

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte
Roberto Carlos Dantas da Cruz foi considerado apto a trabalhar pela perícia

Depois de receber o auxílio-doença durante 10 anos, Roberto Carlos Dantas da Cruz, de 51 anos, teve os benefícios cortados. Ele possui hérnia de disco e artrose no cóccix e afirma que não consegue fazer esforços e que sente muita dor na coluna e na perna esquerda. Cruz veio da cidade de Sousa, na Paraíba, para Bertioga, há dois meses. O benefício foi cortado durante a mudança, no dia 8 de março. Mesmo quando morava na Paraíba, o gesseiro costumava vir a São Paulo para as perícias do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em São Miguel Paulista.

Em sua última consulta, o médico disse que ele estava apto para trabalhar, mas Cruz discorda. "Eu mal consigo dormir direito de tanta dor. Minha coluna e minha perna esquerda doem muito. Imagina ficar em pé o dia todo?". Recentemente, Cruz foi chamado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para realizar operação da hérnia de disco no Hospital das Clínicas, onde faz tratamento. "Mas como eu vou operar se não tenho dinheiro nem para a condução e alimentação? A proprietária já está pedindo minha casa por falta do pagamento do aluguel. Como vou me recuperar de uma cirurgia sem ter onde morar?", indaga Cruz.

Em resposta, por meio de nota, a assessoria de imprensa do INSS esclareceu que o segurado passou por uma perícia médica revisional em 8 de março de 2017, e o benefício foi cessado porque ele não foi considerado incapacitado para o trabalho. O instituto ainda afirmou que, caso não concorde com essa decisão, Roberto poderá recorrer à Junta de Recursos da Previdência Social, no prazo de 30 dias a partir da ciência da cessação do benefício e que, se o segurado tem uma ação judicial e um recurso administrativo no INSS pelos quais solicita o restabelecimento do auxílio-doença, o recurso ao INSS fica suspenso até que o processo na Justiça seja julgado.

Marina Aguiar

Foto: JCN

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!