Coluna Albatroz - edição 1308

Costa Norte
Publicado em 07/11/2014, às 14h49 - Atualizado em 23/08/2020, às 14h26

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

BERTIOGA

Pedido negado A Câmara Municipal negou, por unanimidade, a tramitação em regime de urgência especial pedida pelo prefeito Mauro Orlandini para o Projeto de Lei Complementar (PLC) 06/2014, em sessão ordinária realizada na terça-feira, 4. O projeto determina às administradoras de bens, condomínios, associações civis de moradores e aos inventariantes de bens imóveis situados no município a obrigatoriedade de prestar informações cadastrais como nome completo, número de telefone, e-mails e números de CPF e documento de identidade à prefeitura. Segundo o presidente da casa Luis Henrique Capellini (PROS), o projeto seguirá a tramitação normal da casa devido à alta complexidade do teor envolvido. Veto mantido A Câmara manteve os vetos totais do prefeito Mauro Orlandini aos Projetos de Lei 06 e 11/2014, ambos de autoria da vereadora Márcia Lia (PRB). Os projetos dispõem, respectivamente, sobre o incentivo ao cultivo das plantas citronela e crotalária juncea como método natural de combate à dengue, e proibição de telefones celulares e demais aparelhos eletrônicos em salas de aula das escolas municipais. O motivo alegado pelo prefeito foi que a vereadora valeu-se de vício de iniciativa na elaboração dos referidos projetos, uma vez que a criação das referidas leis deveria ser feita pelo poder executivo mediante a indicação dos vereadores.

Manutenção urbana Seguindo uma linha voltada à manutenção de vias urbanas, o vereador José Feliciano Irmão (PTB) apresentou indicação na qual cobra roçada de mato e limpeza nas ruas General Osório, Rodrigues Alves, Benedito Siqueira e Luiz Pereira de Campos, na região central, no antigo loteamento Jardim Paulista. O vereador Edvaldo Alecrim (PROS) apresentou indicação semelhante, porém voltada à poda de árvores e reparo da Sabesp em tubulação de água no bairro Chácaras. Saneamento nos bairros Já o vereador Alemão (PROS) indicou que o antigo loteamento Vila Tupy, na região central, seja ligado às redes de água e esgoto da Sabesp. Segundo o parlamentar, a impressão é que a localidade está abandonada pelo poder público, uma vez que outros loteamentos já foram regularizados e recebem os serviços de saneamento básico. (fez indicação para quem? uma vez que a Sabesp é do estado)

Assentos exclusivos A vereadora Márcia Lia apresentou indicação à prefeitura sobre a destinação de locais específicos para deficientes físicos e demais pessoas com dificuldade de mobilidade nos eventos culturais da cidade. Além disso, a parlamentar parece ter aprendido com o erro e indicou ao Executivo municipal a elaboração de PLs para a criação de Fundo de Desenvolvimento Econômico e a instituição do Dia do Radialista. Acessibilidade e correções O vereador Pacífico Júnior cobrou intervenções municipais com calçadas adaptadas para cadeirantes, na avenida Anchieta, próximo às agências bancárias e estabelecimentos comerciais. O parlamentar ainda citou o risco de acidentes durante a temporada de verão devido faixas de pedestres terem sido pintadas em locais inapropriados, próximas à praça dos Emancipadores e à uma loja de uma rede de eletrodomésticos. “Existem faixas exóticas, que fazem até movimento de zigue-zague”. Mudança de local A fim de proporcionar um novo espaço de lazer para os moradores do bairro Vista Linda, o vereador Toninho Rodrigues (DEM) solicitou a mudança de local do posto dos bombeiros para um quiosque na orla da praia. Segundo o parlamentar, o local atual do posto seria melhor utilizado com a comunidade (não entendi) e o posto teria maior visibilidade, caso se instale em um dos quiosque não ocupados. Cadê o AVCB? Preocupada com a segurança dos alunos da rede municipal, a vereadora Valéria Bento (PROS) criticou a prefeitura pela falta de extintores de incêndio em boa parte das escolas, e cobrou medidas emergenciais do secretário Ivan de Carvalho. Segundo a parlamentar, muitas unidades estão com extintores vencidos e, outras, abaixo do exigido pelo Corpo de Bombeiros, o que pode ser fatal em uma tragédia. “Ele que tome as devidas atitudes e não me venha com um monte de papéis copiados da internet. Se isso permanecer, eu vou recorrer ao Ministério Público”.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!