HISTÓRIA

Cidade de Santos já teve segundo maior quilombo do Brasil

Quilombo do Jabaquara, pelo qual passaram estimadas 10 mil pessoas, ficava no sopé do morro do São Bento; Santos também teve outros dois quilombos

Redação
Publicado em 13/05/2024, às 14h11 - Atualizado às 14h31

FacebookTwitterWhatsApp
Quilombo do Jabaquara - Divulgação/Prefeitura de Santos
Quilombo do Jabaquara - Divulgação/Prefeitura de Santos

Neste 13 de maio completam-se 136 anos da Abolição da Escravatura, que deu fim a mais de 300 anos de escravidão no Brasil. E a cidade de Santos, além de grande representatividade na luta abolicionista,  já teve o segundo maior quilombo do Brasil. Naquela época, por volta de 1888, parte expressiva da sociedade santista era composta por abolicionistas, e a cidade abrigava escravos fugitivos, inclusive de outros estados. Segundo a Fundação Arquivo e Memória de Santos, a cidade chegou a financiar quilombos, que eram espaços de resistência contra a escravidão e de preservação da cultura afro-brasileira. 

Click aqui para seguir nosso canal no WhatsApp

O Quilombo do Jabaquara, que ficava no sopé do morro do São Bento, chegou a ser o segundo maior do Brasil, depois do Quilombo dos Palmares, em Alagoas, que chegou a registrar a passagem de por volta de 20 mil pessoas. Mais de 10 mil pessoas passaram pelo Quilombo do Jabaquara, e seu líder era Quintino de Lacerda, um ex-escravo, major da Guarda Nacional e primeiro vereador negro eleito em Santos, em 1895.

Ilustração de Quintino de Lacerda
Quintino de Lacerda foi o líder do Quilombo do Jabaquara - Divulgação/Prefeitura de Santos

Mas não era apenas esse quilombo que existia em Santos. Havia também os quilombos do Pai Felipe, no sopé do Monte Serrat (onde hoje se encontra a CET-Santos) e o Santos Garrafão, no Centro histórico, entre as atuais praça da República e praça Antônio Teles. Ainda de acordo com a Fundação Arquivo e Memória de Santos, Pai Felipe veio do Quilombo do Jabaquara e criou seu próprio reduto, cujos batuques podiam ser ouvidos de longe. Ele era conhecido como o Rei Batuqueiro e tem o crédito de ter iniciado o Carnaval de rua na região.

Quilombo do Pai Felipe
Quilombo do Pai Felipe ficava no sopé do Monte Serrat - Raimundo Rosa/Prefeitura de Santos

Já o quilombo Santos Garrafão pertencia ao comerciante branco e abolicionista José Theodoro Santos Pereira, que era amigo de Quintino de Lacerda. O apelido de Santos Pereira era Santos Garrafão, por ter baixa estatura e estar acima do peso. Ele era casado com a ex-escrava Brandina, dona de uma pensão na rua Setentrional, ao lado do atual prédio da Alfândega. 

Com informações de Fundação Arquivo e Memória de Santos e prefeitura de Santos

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!