Presidente da Apae é cassada em assembleia

Costa Norte
Publicado em 12/08/2016, às 15h34 - Atualizado em 23/08/2020, às 15h23

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

*Crédito: JCN

A presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Bertioga Miriam Pereira de Farias da Silva recorreu ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), para não perder o cargo. No dia 28 de julho, responsáveis pelos alunos da unidade realizaram assembleia geral, que culminou na sua destituição. As Federações Nacional e Estadual da entidade estudam teor da ata registrada em cartório.

Para a dona de casa Ariadine Sarres, mãe de um dos alunos, o atendimento na unidade encontra-se em condições precárias. “O espaço físico não comporta mais todos os alunos, e a presidente optou por uma alternância entre as turmas, que é prejudicial para o desenvolvimento deles”.

Outra mãe a criticar a presidente é a cozinheira Valéria Ignácio de Lima, membro da atual diretoria. “Há cinco anos, minha filha estuda apenas duas vezes por semana. Fora isso, a prestação de contas está incompleta por não informar os valores que entram no caixa nas festas e eventos beneficentes”.

A presidente, por sua vez, afirma abrir mão do cargo somente com decisão judicial, e acredita em motivações raciais. “Recentemente, nós ganhamos uma saveiro do governo estadual. Fora isso, a documentação do Pró Social e da Apae Excelência e mais uma série de coisas estão em dia. Temos uma dívida de R$ 600 mil com a Receita Federal, que veio da gestão anterior, mas está tudo sendo pago. Sabe a que conclusão que eu chego? que o problema é que eu seja negra. Te garanto, “tô” pra mim que é racismo”, justificou Miriam.

Por meio de nota, a Federação Estadual das Apaes informou realizar todos os procedimentos necessários para a verificação da legitimidade da assembleia e que somente depois tomará as devidas providências, entretanto, não divulgou prazos. A Federação Nacional, por sua vez, não se pronunciou até o fechamento desta edição. De acordo com o estatuto da entidade, a Assembleia Geral é órgão soberano e tem efeitos legais para destituições. O documento foi registrado no Cartório de Títulos e Documentos de Santos.

Bertioga

Antonio Pereira

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!