ARTE E CULTURA NA ILHA

Em Ilhabela (SP), Fundaci terá exposição “Imersão” do artista plástico Lumumba

Artista leva exposição concebida por ele após duas vivências no Parque Indígena do Xingu. Realizada pelo Núcleo Coletivo das Artes, a mostra, que teve sua primeira montagem na capital paulista em 2018 e acaba de passar por Campinas, reúne cerca de 30 obras – entre pinturas, esculturas e videoinstalação – e ficará em cartaz entre 8 e 24 de abril

Da redação
Publicado em 06/04/2022, às 15h19 - Atualizado às 15h26

FacebookTwitterWhatsApp
Além da mostra em si, estão previstos workshops sobre grafismo indígena e palestras que pretendem traçar um paralelo entre a linguagem estética do artista norte-americano Jean-Michel Basquiat (1960-1988) e as expressões culturais do Xingu Em Ilhabela (SP), - Foto: Manoela Lainetti
Além da mostra em si, estão previstos workshops sobre grafismo indígena e palestras que pretendem traçar um paralelo entre a linguagem estética do artista norte-americano Jean-Michel Basquiat (1960-1988) e as expressões culturais do Xingu Em Ilhabela (SP), - Foto: Manoela Lainetti

Um tema de extrema relevância ressurge na cena artística e cultural paulista em um momento em que as questões relacionadas às causas indígenas pedem uma ampla discussão na sociedade.

Em um cenário em que o assunto é deliberadamente negligenciado por aqueles que deveriam estar à frente na defesa dos interesses dos povos originários e das etnias ancestrais do país, o artista Lumumba Afroindígena retoma sua exposição “Imersão” na sede da Fundaci (Fundação Arte e Cultura de Ilhabela), no Litoral Norte de São Paulo, entre 8 e 24 de abril.

Lumumba teve sua primeira mostra em 2018 e foi reativada com passagem pela cidade de Campinas, em março deste ano.

De acordo com o artista, retomar essa mostra tem um significado especial. “Para mim, é de grande importância revisitar a temática indígena neste momento, ainda mais quando se sabe que nesses últimos anos o assunto vem sendo tratado na esfera federal com total desrespeito”, afirma.

Sobre esse hiato entre a primeira exibição das obras produzidas e agora, diz achar lamentável que tenha ficado engavetada por tanto tempo. “Por abordar uma questão tão relevante, a exposição deveria ter circulado nesse período por escolas e espaços culturais, a exemplo do que estamos fazendo, levando ‘Imersão’ para Ilhabela, um território de vasta história de ocupação por comunidades indígenas”, afirma.

A ida para a Fundaci ocorre, de acordo com a produtora Rita Teles, do Núcleo Coletivo de Artes, pelo fato de “Imersão” ter sido contemplada por um edital do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo, o Proac, promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, que acolheu a proposta de fomentar a instalação da exposição em Campinas e Ilhabela, com permanência de duas semanas em cada cidade.

Além da mostra em si, estão previstos workshops sobre grafismo indígena e palestras que pretendem traçar um paralelo entre a linguagem estética do artista norte-americano Jean-Michel Basquiat (1960-1988) e as expressões culturais do Xingu.

Também serão promovidas rodas de conversa com convidados e público para discussão de questões relacionadas às temáticas indígena, quilombola e preta.

Mais imersão

Com curadoria do Núcleo Coletivo das Artes e Studio Lumumba e composta por cerca de 30 obras (entre pinturas e esculturas), a exposição reúne, com poucas diferenças e algumas peças inéditas, um conjunto praticamente similar ao exibido em 2018 na Matilha Cultural.

Como destaque, seis telas produzidas em 2018, na aldeia Ipavu, dos índios Kamaiurá, quando Lumumba teve a oportunidade de testemunhar as celebrações do Kuarup, ritual de homenagem aos mortos ilustres realizado pelos povos indígenas no Alto Xingu. “Passei 12 dias nessa aldeia e depois fiquei quase 20 dias visitando os Xavantes na Serra do Roncador”, diz. Mas esta não foi a primeira viagem do artista à região. Um ano antes, em 2017, ele participou de um encontro de pajés em Pedra, comunidade da etnia Kalapalo.

Ao relembrar essas duas vivências o artista plástico avalia o quanto foram inspiradoras para seu processo criativo. “Sempre tive um apego à causa indígena porque sou brasileiro. Mas este sentimento se reforçou sobretudo depois que me assumi como afro-indígena, concentrando meu trabalho nesta fusão da arte gerada pela cosmovisão dos povos africanos e ameríndios que aconteceu aqui na América Latina”, diz.

Neste contexto, Lumumba conta que as duas viagens foram fundamentais e lhe brindaram com matéria-prima intelectual para produzir. “Posso dizer que essas experiências me trouxeram uma inspiração cosmológica, filosófica e antropológica para conceber a exposição”, complementa.

Sobre Lumumba Afroindígena

Dividindo-se entre São Paulo e Salvador, onde mantém seus espaços de criação, Lumumba Afroindígena é mineiro, descendente de congoleses Tetelas, da província de Kasai, e integra a terceira geração nascida no Brasil com o nome da bisavó escravizada, Tereza Lumumba, que conseguiu preservar seu sobrenome de origem, e também é bisneto de indígenas da etnia Puri-Guarani, nativos da Serra do Caparaó.

Autodidata, iniciou sua trajetória em 2001 pintando orixás em juta, traduzindo os mitos iorubás, influenciado por Michelangelo e Boris Vallejo.

Em 2009, começou a se dedicar a trabalhos cenográficos, com vasta produção para parques, teatros, bares e restaurantes conhecidos do circuito boêmio e gastronômico da capital paulista.

Iniciado na linguagem da arte urbana (grafite) após se aprofundar na obra de Jean-Michel Basquiat, Lumumba sentiu necessidade de “ir pra rua” entender esse código singular, falar com as pessoas, conhecer outros artistas e trocar experiências.

Nesse sentido, tem chamado a atenção com suas obras em diversos espaços públicos, com destaque para a escultura em aço do arquiteto negro Joaquim Pinto de Oliveira, mais conhecido como Tebas, instalada em 2020 na Praça Clóvis Bevilácqua (região da Praça da Sé), e um painel de grande porte pintado em um conjunto habitacional paulistano do projeto Cingapura, em julho de 2021, homenageando as vítimas da covid-19, pelo projeto da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo,  o Museu de Arte de Rua MAR 360°.

Mais informações em @lumumba_afroindigena e @nucleocoletivodasartes.

Ficha técnica

Exposição: Imersão

Artista: Lumumba Afroindígena

Realização: Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo através do PROAC

Idealização: Studio Lumumba

Produção: Rita Teles e Sander Lumumba

Produção geral: Núcleo Coletivo das Artes Produções

Imagens divulgação: Agnaldo Mattos

Serviço

“IMERSÃO”, POR LUMUMBA AFROINDÍGENA

Onde: Fundaci (Fundação Arte e Cultura de Ilhabela)

Quando: De 8 a 24 de abril

Abertura: Dia 8 de abril, às 19h

Horário de visitação: Segunda a quinta, das 9h às 18h; sextas das 9h às 21h; sábados das 10h às 21h; domingos das 10h às 20h

Endereço: R. Dr. Carvalho, 80, Vila, centro histórico

Telefone: (12) 3896-1747

Instagram: @fundaciilhabela

Facebook:https://www.facebook.com/fundaciilhabela

Site:https://fundaci.org/ilhabela/

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!