Empresário responderá por tentativa de homicídio em liberdade

Costa Norte
Publicado em 05/01/2013, às 06h21 - Atualizado em 23/08/2020, às 13h54

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

Por Eliana Cirqueira

O empresário de Guarujá, José Adão Pereira de Passos, de 55 anos, acusado de matar um jovem turista da cidade de Campinas, no início da noite do último dia 31, aguardará o julgamento do caso em liberdade. A informação é do delegado titular de Guarujá, Cláudio Rossi. De acordo com ele, o motivo é que o comerciante não foi preso em flagrante e se apresentou espontaneamente à Justiça. “Ele tem residência fixa e ocupação lícita. Enquanto não houver um fato novo, não pediremos a prisão preventiva dele”, contou.

Caso De acordo com dados do B.O. (Boletim de Ocorrência) registrado, o crime aconteceu no restaurante Casa Grande, de propriedade do acusado, localizado no bairro Enseada, em Guarujá. A vítima, o estudante Mário dos Santos Sampaio, de 22 anos, estava acompanhado de amigos e da namorada e, na hora de pagar a conta, houve divergência quanto ao valor cobrado pela refeição. Como o custo por refeição estava afixado no exterior e interior do estabelecimento como R$ 12,99, os turistas queriam pagar essa quantia por pessoa, mas a cobrança efetuada foi de R$ 19,99. Assim teria começado a discussão no caixa do restaurante. Ainda de acordo com informações do B.O., o filho do dono do restaurante, Diego Souza Passos, de 23 anos, gerente do local, foi chamado por funcionários e interveio para tentar resolver a questão. Ele explicou que o valor maior seria por conta do horário, já que havia passado das 18h, que seria o horário até o qual o valor estaria vigorando. Houve discussão e agressão física. No registro policial, as testemunhas que acompanhavam a vítima relataram que o gerente do local ameaçou a turma de turistas dizendo que iria esperá-los do lado de fora do estabelecimento. O acusado interferiu nesse momento, indo à cozinha, pegando a faca e golpeando a vítima três vezes, pelas costas.

Socorro A equipe do Samu chegou a ser chamada e a socorrer Mário, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Em depoimento na Delegacia, José Adão disse que interferiu para ajudar o filho e que não teve a intenção de matar o jovem. O empresário e o filho fugiram do local do crime após o ocorrido e somente se entregaram à Polícia na quarta-feira (02), por volta das 21h, o que os livrou do flagrante-delito. O caso agora continua sob investigação.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!