União das Associações de Engenheiros faz reunião em Bertioga

Costa Norte
Publicado em 20/04/2012, às 15h25 - Atualizado em 23/08/2020, às 13h39

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

Por Ana Cláudia Gomes

A UALP (União das Associações de Engenheiros do Litoral Paulista), entidade que congrega profissionais de 13 municípios entre o Vale do Ribeira e Litoral Norte, realizou reunião ordinária neste sábado (14), na Riviera de São Lourenço, em Bertioga. O encontro contou com a presença do presidente do Confea (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia), José Tadeu da Silva, que explanou sobre a importância da engenharia para o desenvolvimento sustentável. “Desenvolver sem danos ao meio ambiente, esse é o conceito de engenharia”. Segundo Silva, o Brasil já atingiu um patamar satisfatório de democracia e estabilidade econômica e agora precisa operacionalizar outros pilares para o crescimento. “Não pode existir nada que impeça o desenvolvimento do país, mas precisamos de sustentabilidade ambiental”.

Código Florestal O presidente do Confea explicou que a classe vem acompanhando a votação do Código Florestal, que está em tramitação na Câmara Federal, em Brasília (DF). “Com a aprovação da nova legislação, vamos realizar seminários para analisar os itens”, afirmou.

Região O coordenador da UALP, Gustavo Nunes, reforçou a importância de tratar as questões do setor de forma regional, principalmente as que se referem ao meio ambiente. “Não se pode pensar de forma isolada. Assuntos como mangue e resíduos sólidos afetam a região metropolitana”.

Preservação ambiental O prefeito de Bertioga, Mauro Orlandini (DEM), que é arquiteto, abriu a reunião e fez uma explanação sobre a questão ambiental na cidade, reforçando que o objetivo da municipalidade é o equilíbrio. “Chega de sermos interpretados como irresponsáveis”, comentou o prefeito, referindo-se à reportagem publicada pelo jornal ‘O Estado de SP’, sobre o empreendimento da empresa Brasfanta, cujo projeto passa por análise dos órgãos ambientais do Estado. Orlandini defendeu a autonomia do município e reforçou que o PD (Plano Diretor) local já é bastante restritivo no que diz respeito à preservação ambiental. “Exigimos 70% de preservação em cada empreendimento”.

Reivindicação “Bertioga busca mostrar que a cidade não é composta somente de praias selvagens e que já existe um núcleo urbano implantado”, disse o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Bertioga, Marcelo Godinho. Segundo ele, o objetivo da classe na região é incentivar a construção civil, fazendo valer o PD.

CAU Desde dezembro de 2010, os arquitetos se desvincularam do Conselho de Engenharia, quando foi aprovada a criação do CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo). O presidente do órgão, Afonso Celso Bueno, explicou que a desvinculação era um desejo antigo da classe. “Há 50 anos existiam poucos profissionais. Hoje, a categoria cresceu muito, existem áreas parecidas entre as duais profissões, mas cada um tem uma atribuição própria”.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!