Nadador quebra recorde na 14 Bis

Costa Norte
Publicado em 30/11/2012, às 14h02 - Atualizado em 23/08/2020, às 13h52

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

Por Ana Cláudia Gomes [email protected]

Prova é considerada um desafio pessoal para os nadadores

O vento e a maré favoreceram a realização da 45ª Maratona de Natação 14 Bis, que aconteceu sábado passado (24), em Bertioga. O vencedor da prova, Marcos Campos, bateu o recorde do ano anterior. Ele completou o percurso de 25 km com o tempo de 4h22m. Em 2011, o melhor tempo foi de 4h31min. A prova, organizada pelo Nubast (Núcleo da Base de Santos), teve largada em Guarujá e chegada em Bertioga. O objetivo da disputa é fazer com que os nadadores façam uso da maré na cheia, durante a primeira metade do percurso, empurrando os atletas, e depois, na vazante, os puxando. “A maré ajudou, estava a favor, mas no ano passado tinha mais visibilidade”, comentou o vencedor que considera a prova um desafio pessoal. Raul Porto, que ficou em 2º lugar, com o tempo de 4h30min., considerou a prova mais rápida do que o ano passado. “Apesar do vento, foi uma prova muito boa, principalmente pela maré, que favoreceu a velocidade”. Já para o 3º colocado, Samir Botelho, está foi a melhor prova que ele já participou. “É a 3ª vez, mas de todas foi a mais fácil, o clima e o vento favoreceram”.

Mulheres O tempo da categoria feminina também foi novidade na prova. A 1ª colocada, Thaís Fernandes, fez o tempo de 4h46min. e também considerou o clima como favorável. “Além disso, meu barqueiro e minha técnica também ajudaram, me acompanhando. Essa foi a maior prova que já participei”, comentou Thaís, elogiando a organização do evento. Mabília Gomes Felício ficou em 2º lugar e considerou a chegada bastante complicada. “Tinha muito correnteza, mas eu estava bem treinada. Esse ano meu desempenho foi melhor do que em 2011”. A 3ª colocada, Ana Lícia Sudo, já participou 9 vezes da Maratona 14 Bis e acredita que a cada ano, o nível dos atletas está ficando mais forte. “É um desafio pessoal. A gente sai com o corpo cansado, mas com a moral lá em cima”.

Desafio Para o comandante do Nubast, a prova é realmente um desafio pessoal de cada nadador. “É uma prova extensa e desgastante, mas recompensadora”. Um dos colaboradores do evento, Percival Milani, já participou de 12 edições da Maratona 14 Bis, atualmente, colabora com o evento. Ele explica que a prova teve origem na década de 1970, com um grupo de nadadores da região, como um pré-treinamento para uma prova de mar, no Rio de Janeiro. “O pioneiro foi Mário Belo, que hoje tem 70 anos. Ele nadou até a 37ª edição”, lembrou Milani.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!