Defesa Civil recebe 43 chamadas em 3 meses, em Bertioga

Costa Norte
Publicado em 01/04/2011, às 17h32 - Atualizado em 23/08/2020, às 13h10

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

Desde o início das atividades, em 3 de janeiro deste ano, a Defesa Civil de Bertioga registrou 43 chamadas. Um número de ocorrências considerado pequeno, segundo diretor interino de Defesa Civil, Plínio Lima Aguiar, mas importante para compor o Plano Municipal de Defesa Civil, que resultará em um mapeamento de possíveis áreas de risco da cidade. O estudo contará, também, com um levantamento do IG (Instituto Geológico) do Rio de Janeiro.

Plínio Lima adiantou que ainda não há prazo para a conclusão do plano, mas que o mesmo auxiliará o órgão no atendimento preventivo à comunidade. “A Defesa Civil é a última instância no atendimento à população, pois existem a polícia e bombeiros”, explicou..

O diretor também falou sobre a importância de a população conhecer o trabalho da Defesa Civil para saber como acioná-la e afirmou que nenhuma chamada é ignorada. “De todas as ligações abrimos uma ocorrência e damos o encaminhamento”. O trabalho da Defesa Civil consiste na ação preventiva, assistencial, de socorro e de recuperação. O telefone é 199.

Criança

O Conselho Tutelar também solicitou o serviço da Defesa Civil. Segundo Aguiar, uma residência precária, nas Chácaras Vista Linda, colocava em risco a vida de uma criança. “Fomos até o local, removemos a mãe e dois filhos e entramos em contato com familiares, que os acolheram. O abrigo provisório onde viviam foi condenado”.

Caiubura

A solução dos alagamentos do bairro Caiubura (veja matéria na página 7) também contou com intervenção da Defesa Civil, de acordo com o diretor. O órgão entrou em contato com a empresa Transpetro, cujo serviço é terceirizado pela Petrobras – responsável pela linha de oleodutos na Região -, para substituição das manilhas de drenagem, cujo diâmetro era inferior a demanda da vazão. “A empresa nos atendeu rapidamente, resolvendo o problema da comunidade”.

Moradias

O PLHIS (Plano Local de Habitação de Interesse Social), realizado pela prefeitura, auxiliará no trabalho preventivo da Defesa Civil. De acordo com Aguiar, o plano traz um mapeamento de áreas com ocupações irregulares que podem se tornar área de risco, tanto pela forma de ocupação, quanto pelo local. “Áreas próximas a rios são potencialmente mais sujeitas a inundações, por exemplo”.

Logística

A Defesa Civil de Bertioga atua com 7 homens, sendo 3 deles treinados pela Defesa Civil de São Paulo. Uma viatura e um guincho fazem parte dos equipamentos utilizados pelo órgão e já foi aberta a licitação para a aquisição de um bote inflável e um motor de popa. Os uniformes serão entregues no próximo dia 25.

Monitoramente da chuva ajuda na prevenção

Outro trabalho da Defesa Civil é o monitoramento do índice pluviométrico na cidade. “Com isso, podemos conhecer os períodos de maior incidência e prevenir para possíveis acidentes. Esse trabalho vai permitir, ainda, conhecer a reação do solo na incidência da chuva”, explica Aguiar.

Como o órgão está em funcionamento a apenas 3 meses, ainda não é possível fazer um comparativo com períodos anteriores ou mesmo sobre os meses mais críticos nas precipitações, conforme explicou o diretor.

O pluviômetro registrou 350 milímetros de chuva em janeiro, 312, em fevereiro, e 350, em março. O dia 2 de janeiro foi o de maior incidência, com 66 milímetros em 4 horas. Isso representa 66 litros de água por m². “No ano que vem, no mesmo período, podemos ficar em alerta”, explicou.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!