Caio Matheus quer diminuir 15% dos contratos das secretarias

Costa Norte
Publicado em 02/01/2017, às 08h34 - Atualizado em 23/08/2020, às 15h44

FacebookTwitterWhatsApp
Costa Norte
Costa Norte

Foto: JCN

Bertioga Mayumi Kitamura

Diminuir os custos e aumentar a receita. Estes serão os principais desafios de Caio Matheus nos primeiros meses de seu mandato. Segundo estimado pela equipe de transição, o município deve ser entregue com um déficit aproximado de R$ 25 milhões em compromissos contratuais empenhados. Neste panorama, o prefeito eleito se programou para lidar com o município por meio de medidas de enxugamento da máquina pública e aumento de receita.

O prefeito eleito programou para o dia 3 de janeiro uma coletiva para o anúncio de decretos relacionados a estruturação de quatro e contenção de despesas para que o município possa cumprir com as obrigações. Conforme adiantou, um dos decretos será da promoção de uma meta de redução de 15% dos contratos de todas as secretarias, tanto no fornecimento de produtos quanto de serviços. Ele ponderou: “É claro que levaremos em consideração que em algumas secretarias tem que se haver bom senso”. Caio Matheus citou o caso das pastas de Saúde e Educação, que deverão ganhar um olhar diferenciado para o cumprimento da meta sem prejudicar os serviços. Ainda, afirmou que onde for possível, os cortes serão concretizados, no entanto, sem prejudicar a prestação de serviços imprescindíveis para a população. “Tomaremos o devido cuidado”, disse ele.

O futuro secretário de Administração e Finanças, Roberto Cassiano Guedes, que integra a equipe de transição, revelou que a prefeitura não tem conseguido cumprir o planejamento orçamentário, que tem demandado modificações no orçamento. Além disso, informou que foi possível detectar uma ‘real insuficiência de recursos financeiros’. Disse ele: “A prefeitura vai fechar o ano com déficit financeiro. A última projeção que tínhamos era de um déficit em torno de R$ 25 milhões, só que isso depende de ajustes”. Esse valor, segundo afirmou, é de empenhos, ou seja, compromissos contratuais, da prefeitura. Por isso, ele explica que a “única que é certeza é que ficarão despesas realizadas neste ano sem cobertura financeira para pagar”.

Em aspectos gerais, o novo governo assume a prefeitura em uma situação considerada ‘preocupante’, revelou o futuro secretário de Governo, Gustavo Melo, que comandou o grupo de transição. Conforme levantaram, algumas secretarias perderam seus prédios de funcionamento, alguns estão em situações precárias e, o mais alarmante: a falta de pessoal. “Nos deparamos com muita coisa que não esperávamos, na questão de estrutura física por parte das secretarias e na questão de pessoal, na parte administrativa das secretarias”. Gustavo adianta que o grupo buscará criar o menor impacto possível, e farão somente nomeações necessárias para as secretarias.

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!