Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
VÍTIMA FATAL

Um ano após motorista atropelar e matar ciclista, 1ª audiência do caso será realizada em SP

Testemunhas do atropelamento de Marina Kohler Harkot serão ouvidas na próxima quarta-feira (24); família e amigos organizam mobilização para pedir que o motorista seja julgado por um júri popular

Da redação
23/11/2021 às 09:55.
Atualizado em 23/11/2021 às 15:10
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Um ano após motorista atropelar e matar ciclista, 1ª audiência do caso será realizada em SP (Foto: Silvia Ballan)

Um ano após motorista atropelar e matar ciclista, 1ª audiência do caso será realizada em SP (Foto: Silvia Ballan)

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Um ano depois da morte da ciclista Marina Kohler Harkot, atropelada pelo empresário José Maria da Costa Júnior, a primeira audiência do caso será realizada. As testemunhas serão ouvidas na próxima quarta-feira (24), às 13h30, no Fórum da Barra Funda, em São Paulo.

Ciclistas, amigos e familiares de Marina farão uma mobilização na frente do Fórum para pedir que Costa Júnior seja julgado por um júri popular. As informações colhidas servirão de insumos a juíza definir se o julgamento do motorista será ou não com júri popular.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApphttp://bit.ly/Costanorteinforma4 & receba matérias exclusivas. Fique bem informado! 📲

Indícios documentais e testemunhais reunidos pela Secretaria de Segurança Pública apontam que Costa Júnior estava embriagado e transitava em alta velocidade pela Zona Oeste de São Paulo, quando atropelou Marina e não prestou socorro. Ele responde por homicídio doloso qualificado por dirigir sob efeito de álcool. 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
“Dirigir bêbado, atropelar uma ciclista e não socorrer, não é acidente. É crime. A sociedade precisa ter o direito de participar desse julgamento, que não diz respeito apenas a Marina, mas também às centenas de ciclistas que perdem suas vidas, mutilados ou feridos, todos os anos. Não quero que mais nenhuma outra mãe experimente essa dor dilacerante que é perder uma filha dessa forma”, diz Maria Claudia Kohler, mãe de Marina.

O júri popular é formado por pessoas que não têm formação em Direito e representam a sociedade em geral.  Nesse sistema, quem condena o acusado são os jurados, e não o juiz. Ele é formado apenas em casos de crimes dolosos (em que houve intenção de matar).

No caso da Marina, a juíza vai analisar os depoimentos das testemunhas, documentos e provas para avaliar se houve dolo. Só então será definido que o júri será popular.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
“A expectativa é que, ao final da primeira fase, a juíza entenda pela presença de elementos que indiquem dolo, já que todas as circunstâncias dos fatos deixam patente a ocorrência de homicídio doloso”, diz Priscila Pamela Santos, advogada da família.

Se o crime for considerado culposo, a pena será de 5 a 8 anos de prisão e cabe regime semiaberto. Já no caso de ser qualificado como doloso a condenação pode chegar até 30 anos de prisão e inicia em regime fechado.

Sobre Marina

O dia 7 de novembro de 2020 foi um dia especial para Marina. Depois de quase um ano isolada pela pandemia, ela resolveu encontrar algumas pessoas. Foi correr com uma amiga de infância pela manhã, almoçou com o marido e à noite foi encontrar outras duas amigas.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

A noite falou com a mãe por telefone, o que era sempre frequente. Disse que ligaria mais tarde, pois estava na casa de uma amiga. Já era quase meia noite quando Marina se despediu. Soltou a última gargalhada, pegou sua bicicleta e foi embora, mas não chegou em casa.

A vida de Marina foi trágica e brutalmente interrompida na avenida Paulo VI, no bairro de Pinheiros, por um motorista embriagado.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Segundo a família, ela era uma ciclista experiente e bastante cuidadosa. A bicicleta era uma paixão, um meio de transporte e uma causa. Socióloga pela USP, cursou mestrado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU/USP), onde defendeu a dissertação “A bicicleta e as mulheres: mobilidade ativa, gênero e desigualdades socioterritoriais em São Paulo”.

Marina estava fazendo doutorado e atuava como pesquisadora do Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade), Ciclo Cidade e outros espaços de ativismo e articulações pelo direito a cidade.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

A sua contribuição acadêmica apesar de curta foi tão relevante que ela ganhou uma sala de Estudos Interdisciplinares na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP com seu nome.

 ***Você bem informado em 5 minutos! Clique aqui e assine GRÁTIS a Newsletter do Costa Nortehttps://bit.ly/newslettercostanorte & leia sua dose diária de informação direto no e-mail

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

O Portal Costa Norte é um dos veículos de comunicação do Sistema Costa Norte de Comunicação, empresa que atua no litoral paulista há mais de trinta anos levando informação a toda a população com seriedade e imparcialidade.

Sistema Costa Norte de Comunicação© Copyright 2022Todos os direitos reservados ao Sistema Costa Norte de Comunicação.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por