Um homem de 31 anos foi preso em flagrante na cidade de Cubatão por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. O que chama atenção, no entanto, é a procedência da arma, uma pistola calibre 40 roubada do policial Gledson Silva Gusmão, 39, morto em um baile funk em março deste ano.

Participe dos nossos grupos http://bit.ly/COSTAINFO5 📲 Informe-se, denuncie ℹ

O indiciado foi localizado por meio de denúncias que levaram à sua residência na Vila Esperança, área rural de Cubatão. No local, policiais da 4ª Companhia do 21º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I) localizaram o suspeito, que era procurado pela Justiça, e uma adolescente de 17 anos, também detida. 

Com a dupla foram encontradas a pistola, 1.050 gramas de cocaína, 465 gramas de maconha, um quilo de crack e outras 200 gramas de entorpecentes.

O caso foi encaminhado para Delegacia Sede de Cubatão, o indiciado foi preso em flagrante por tráfico de drogas, posse ilegal de arma de fogo de uso restrito, receptação, captura de procurado e ato infracional de tráfico de drogas. A adolescente foi apresentada à Vara da Infância e Juventude.

ORIGEM DA ARMA

A arma apreendida foi furtada na madrugada do dia 8 de março de 2020 do soldado da Polícia Militar, Gledson Silva Gusmão, 39. Ele foi morto após levar uma amiga de 15 anos para conhecer um baile funk no bairro Chácaras. No local, ele foi reconhecido como policial, sendo sequestrado e assassinado em seguida.

Ele foi levado para uma área deserta, próxima a um mangue, conhecida como 'desova  e corpos do tribunal do crime'. O corpo da vítima foi encontrado por equipes da Polícia Militar, com marcas de dois tiros, várias pauladas e marcas de facadas na cabeça. A pistola, calibre 40 e 15 munições, que estava com o PM, foi roubada pelos autores do assassinato.

No dia seguinte ao crime, um dos possíveis responsáveis pelo assassinato foi morto por volta das 20h, na rua aprovada 619, no bairro Vista Linda, em Bertioga, após trocar tiros com policiais do Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar (Baep). Willian de Souza Gonçalo, de 32, anos, conhecido como Zóio, apresentava-se no bairro como um dos líderes de uma facção criminosa da capital.