A moradora de rua que desconcertou os moradores de Cidade Tiradentes estava em “surto psiquiátrico”, afirmou a prefeitura da Capital paulista, no final da tarde desta terça-feira, 10. No último sábado, 07, imagens da mulher aparentemente cometendo atos de canibalismo foram registradas por populares. Em invasão a uma área de isolamento policial, a mulher aparece engatinhando sob um ônibus, próxima ao corpo de um homem que teve seu crânio esmagado numa colisão grave. Ela supostamente estaria comendo os restos mortais do cadáver, incluindo seu cérebro, espalhado no local pela violência do acidente.

O vídeo, por seu caráter bestial e inacreditável, causou comoção nas redes. As imagens são fortes. Há uma área em isolamento e, em plano médio, um corpo de uma vítima coberto com um pano branco. Ao fundo, à direita, é possível identificar também uma grande quantidade de sangue e vísceras ao redor, produtos da violência do acidente que acontecera no local. O ônibus envolvido na acidente permanece atrás do corpo da vítima. Abaixo do ônibus, numa fresta minúscula,  numa área de díficil visibilidade, algo se mexe: É a moradora de rua. Em dado momento, ela parece puxar algo, não se sabe se uma parte do corpo do cadáver dilacerado ou outra coisa. O que é notório é que a mulher, desumanamente,  rasteja em meio aos restos mortais de um cadáver.

O áudio não é menos desconcertante e ajuda a desvendar o vídeo, já que se tratam de testemunhas oculares do acontecimento nauseante. Enquanto um homem ordena aos gritos "sai daí, sai daí" ou brada desesperadamente o quebranto cristão "sangue de Jesus tem poder", é possível, com algum esforço, ouvir duas mulheres conversando ao fundo. Os gritos do homem impedem de ouvir o diálogo com nitidez, mas as palavras "embaixo do ônibus" e "comendo o cérebro" podem ser identificadas. Muitos internautas, naturalmente desconcertados, suspeitaram da veracidade da situação.Combinando-se os relatos de diversos órgãos da gestão municipal da Capital e do estado de São Paulo,  porém, é possível verificar que a história bate com a dos órgãos oficiais.

Leia aqui a primeira parteMoradora de rua invade isolamento de acidente de trânsito grave e come cérebro de cadáver | Vídeo

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) “uma moradora de rua invadiu a área reservada e foi contida por policiais militares.” Segundo relatos, ela teria resistido à tentativa dos policiais de a retirarem do local, e só saiu desmaiada após uso de força e de rajadas de spray de pimenta, pelos policiais. Os policiais militares, afirmou a SSP, acionaram o SAMU  e a mulher foi encaminhada para atendimento médico.  

A prefeitura de São Paulo, por meio de nota, informou que após o atendimento de urgência, ela foi encaminhada para o Hospital Municipal Dr. Benedito Montenegro, na Zona Leste da Capital. O Portal Costa Norte,  questionou a prefeitura e a Secretaria Municipal de Saúde sobre detalhes da saúde mental e física da mulher.

Participe dos nossos grupos 👉   https://bit.ly/COSTAINFORMA10 📲 Informe-se, denuncie

Muitos internautas, diante da surrealidade das imagens, especularam se a mulher estava sob efeito de alguma droga que explicasse seu comportamento aparentemente canibalesco. Aventou-se a possibilidade da mulher estar sob efeito de Crack, que envia a pessoa para outro plano, ou  Cloud Nine - a Droga Zumbi - um composto psicoativo e estimulante que despertaria nos usuários, além de escabrosas alucinações, um irresistível apetite por carne humana. Questionada, a gestão municipal disse que tais informações “são protegidas pelo sigilo de prontuário médico e não é possível solicitar autorização da paciente ou responsável tendo em vista tratar-se de paciente psiquiátrico”.

O órgão, juntamente com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, também não respondeu se algum tipo de assistência psicológica ou material foi acionada para amparar a mulher.

Até a manhã desta quarta-feira, 11, a infeliz moradora de rua continuava internada em observação no Hospital Municipal Dr. Benedito Montenegro, afirmou a direção médica. Até o momento, não foram obtidas informações sobre familiares da mulher.