Somente na última quarta-feira, 20, primeiro dia do feriado prolongado, decretado na capital paulista, os bloqueios rodoviários em Guarujá impediram que 337 veículos, vindos de outros municípios, entrassem na cidade.

O megaferiado em São Paulo ocorre com a antecipação do Corpus Christi para o último dia 20 e do Dia da Consciência Negra para esta quinta-feira, 21, respectivamente. Também foi declarado ponto facultativo nas repartições públicas, nesta sexta-feira, 22.

Participe dos nossos grupos ℹ bit.ly/GRUPOCNGUARUJA 🕵‍♂Informe-se, denuncie!

A fiscalização nos bloqueios segue rigorosa para lidar com o fluxo de veículos que tentam entrar na cidade. A medida aumenta a segurança dos munícipes em meio à pandemia da covid-19, e desde que foi implementada, no dia 22 de março, 19.058 veículos tiveram que retornar ao tentar entrar na cidade.

Ao todo são sete bloqueios que funcionam 24 horas e estão montados tanto nas entradas do município, quanto nas saídas das travessias de balsas de Santos e Bertioga.

O acesso é livre para os veículos cujos ocupantes apresentem comprovante de residência no município ou comprovem exercício de atividades essenciais. Quem se recusar a retornar está sujeito a ter seu veículo removido ao pátio municipal, podendo ser conduzido ao Distrito Policial para lavratura de boletim de ocorrência, por violações ao Código Penal e ao Código de Trânsito Brasileiro.

Bloqueios 

As vias totalmente bloqueadas com estruturas de concreto (tipo New Jersey), sem acesso à cidade são: rua Waldomiro Macário (acesso aos prédios da Dow Química), a via Fassina (acesso ao Porto de Granéis e demais empresas) e a avenida Tancredo Neves (acesso aos bairros Cachoeira, Vila Edna e Vila Zilda).

Existem, ainda, as barreiras sanitárias de fiscalização, que estão na avenida Áurea Gonzáles Conde (acesso à Vicente de Carvalho), rua Idalino Pinez (Rua do Adubo – acesso exclusivo de caminhões e ao Porto), avenida Vereador Lydio Martins Correa (acesso à Enseada e Morrinhos) e avenida Santos Dumont (na entrada principal da cidade). Há, também, barreiras do tipo nas saídas das travessias de balsas de Santos e Bertioga.