As cidades da Baixada Santista vão saber nesta quinta-feira, 07, se permanecem na fase amarela, se recuam para a fase laranja ou vermelha ou se avançam para a fase verde do Plano São Paulo de retomada do governo estadual. Amanhã o governo estadual divulga a reavaliação ordinária de todas as 645 cidades do estado.

A última reavaliação ordinária ocorreu em 30 de novembro, momento em que todas as cidades do estado foram rebaixadas para ou permaneceram na fase amarela (posteriormente Presidente Prudente foi rebaixada para a fase vermelha). Houve também uma reavaliação extraordinária de todo o estado em 23 de dezembro, data em que a Baixada Santista foi rebaixada temporariamente para a severa fase vermelha durante dois períodos intercalados do final de ano.

A decisão gerou uma série de impasses entre a Baixada Santista e o Governo Estadual. Prevista para segunda-feira, 04, a reavaliação foi reagendada em dezembro para a data em que se espera que ocorra. 

Saiba mais: 

O dossiê da treta: Impasse entre litoral de SP e gestão Doria continuará na parte 2 da fase vermelha

Como funciona a reavaliação das cidades

A reavaliação das cidades, de acordo com as normas do Plano São Paulo, leva em conta os indicadores da pandemia dos municípios e das regiões. Hipoteticamente, quanto mais altos forem a taxa de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para pacientes com coronavírus, o número de novas internações no mesmo período e o número de óbitos, mais restritiva será a fase do plano em que será inserida a cidade. O período considerado nas contagens são dois intervalos de 28 dias que são comparados.

Ou seja, no caso da reavaliação desta quinta-feira, serão comparados os indicadores da pandemia de 09 de dezembro passado, até está quarta-feira, 06 de janeiro, com os 28 dias anteriores. Em tese, se os indicadores apresentarem melhora, a região vai para uma fase menos restrita, se apresentarem piora, vai para uma mais restrita.

As fases do Plano São Paulo são vermelha, laranja, amarela, verde e azul. A vermelha é a mais severa e a azul a menos restritiva. A fase vermelha é acionada quando a capacidade hospitalar está em risco ou a pandemia avança em velocidade acelerada. Nesta fase, apenas serviços essenciais são mantidos.

Na atual fase amarela, a capacidade hospitalar, em relação a fases mais restritas, está relativamente controlada, mas requer atenção. Nesta fase há maior liberação de atividades econômicas que na vermelha e laranja, mas com controle de horário e de lotação dos espaços.

De acordo com indicadores desta quarta-feira, 05, oriundos do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do governo estadual, atualmente a taxa de ocupação das UTIs covid-19 no estado é de 62,5%; nas regiões metropolitanas, como a Baixada Santista, o número é ainda maior, 65,2%. Santos, principal cidade da região, é a 5ª cidade com maior número de casos do estado (32.847), atrás apenas da capital, uma megalópole, de Campinas, São José do Rio Preto e São Bernardo do Campo.