Arquivo 19/05/2017--85

Redação
Publicado em 18/05/2017, às 21h00 - Atualizado em 23/08/2020, às 17h52

FacebookTwitterWhatsApp

Bertioga 26 anos Edição especial de emancipação 85 Projeto chega à marca de 15 mil alunos atendidos em 22 escolas estaduais, municipais e particulares parceiras eles assumam um papel de liderança e com- preendam que têm condições para transformar o meio ambiente, as relações entre as pessoas e delas com a cidade onde vivem”. São muitos os relatos de mudanças de quem participa das atividades. A começar pelos ensinos infantil e fundamental 1. Na Escola Municipal José Carlos Buzinaro, em Guaratuba, 320 alunos com idades de três a 11 anos revezam-se para cultivar a horta. Nas palavras da vice-diretora Édila Dantas da Silva, “não é o plantar pelo plantar. O projeto traba- lha o cuidado, em temas transversais, que vão além do meio ambiente, são interdisciplinares. Amplia a visão dos alunos. E fazemos ligações com o que trabalhamos em sala de aula”. Ela observa grandes mudanças nas crianças, que se tornam mais sociáveis e desenvoltas, e revela que o programa Clorofila fez diferença em sua vida também. “Com os cursos, eu me tornei uma professora melhor”, diz Édila, que é docente de educação básica. Agora, a escola concentra-se na criação de um jardim sensorial, com bancos, planejado para se integrar ao Leitura Deleite, parte da programação da rede municipal. Segundo Rossana Aguilera, secretária muni- cipal de Educação, “o programa Clorofila vem ao encontro do nosso Projeto de Leitura, que prio - riza a sustentabilidade e a preservação social e ambiental. Estimula os alunos a se tornarem agentes multiplicadores. Nossa parceria só gera benefícios, direcionando os estudantes a uma maior responsabilidade social e ambiental”. De fato. Tatiana Oliveira Alves, de 29 anos, por exemplo, participou do projeto Clorofila apenas no ensino fundamental 1, quando es- tudou na Escola Municipal Governador Mario Covas Jr., na Riviera, no fim dos anos 1990. E se tornou uma verdadeira fiscal contra o desperdí- cio de papel: “O programa mudou meu modo de pensar. Tomei consciência de que, para ter papel, tem que derrubar árvores. Passei a me preocupar com o que vamos deixar de natureza para nossos filhos”. Na rede estadual, que tem as CMAs, o efeito do programa Clorofila na disseminação do conceito de cidadania é ainda mais inten- so, como explica Luciana Salinas Fernandez, vice-diretora da Escola Estadual Maria Celes - te Pereira Leite, na Riviera: “Faz a diferença na

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!