Arquivo 19/05/2013--49

Redação
Publicado em 18/05/2013, às 21h00 - Atualizado em 23/08/2020, às 17h54

FacebookTwitterWhatsApp

Jornal Costa Norte - 19 de maio de 2013 · Edição especial de emancipação: Bertioga 22 anos 49 centro até Guaratuba. Ela começou a per- der terras e ficou devendo um valor muito alto ao meu avô. Para suprir essa dívida, ela pediu que meu avô escolhesse alguma terra dela. Ele escolheu São Lourenço e povoou o local”, explicou Maneco. Outro descendente, Victor Batista Pin- to, dá outros detalhes sobre essa história: “Meu avô, Manoel José Pinto, era filho de uma escrava, mas foi criado pela madrasta. Quando seu bisavô morreu, deixou, em tes- tamento, dois mil contos de réis para o neto. Mas a madrasta tinha gastado tudo, e ficou devendo esse dinheiro para o enteado. Para quitar a dívida, ele se apossou das terras de São Lourenço e ali formou sua família.” O bairro se desenvolveu muito rápido e, em 1936, instalou-se a terceira escola de Bertioga na casa de Maneco que, na época, era a única a possuir água encanada e banhei- ros. A Escola Mista Rural da Praia de São Lourenço atendia crianças do então primeiro ao terceiro ano do primário. Após concluir o terceiro ano, as crianças tinham que estudar no Indaiá, para onde seguiam também pela areia da praia. Em São Lourenço instalou-se a única indústria de cachaça da cidade. Fica- va próxima à praia de Itaguaré, e foi fundada, também, pelo avô de Maneco. Hoje, a fa- mília Pinto conta com cerca de 300 pessoas residentes no bairro, e aproximadamente 60 herdeiros de terras. Rose guarda muitas lembranças de seu pai Manoel Messias da Silva (acima), um dos pioneiros na construção da unidade Sesc-Bertioga Reporudção Aline Pazin Foto Aline Pazin

Comentários

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!