Uma cabeleireira de 33 anos foi enforcada pelo companheiro, após pedir a separação, na tarde desta terça-feira (3). Depois da violência, a mulher fugiu de São Paulo, onde vivia com o homem há seis anos, e, com auxílio de familiares, se instalou em Praia Grande, onde procurou a polícia no dia seguinte. Fugida, atualmente a mulher está vivendo no Jardim Flórida, na casa de sua irmã.

À polícia, na tarde desta quarta-feira (9) a vítima relatou que viveu seis anos de um relacionamento abusivo em que era ameaçada, xingada, agredida e torturada psicologicamente, a ponto de o companheiro tê-la trancado no quarto, ligado o ferro e ameaçado marcá-la.

Com o casal, viviam três crianças, duas filhas gêmeas de três anos, dos dois, e uma outra filha do casamento anterior da vítima. Segundo versão da cabeleireira, o companheiro afirmou que caso ela o deixasse, ele mataria suas filhas.

Há um mês, o homem teria prometido a ela que iria embora de casa, mas nunca saiu. Nesta segunda (7), após ela mencionar novamente sobre a separação, o companheiro reagiu com violência novamente. Na frente das três crianças, ele pegou um cobertor, e, à força, enrolou a companheira. Em seguida, a enforcou até que ela perdesse os sentidos.

Achando que a mulher estava a ponto de morrer, o homem a levou às pressas a um pronto socorro. Nesta terça-feira, contudo, as violências se intensificaram ainda mais.

Decidida a dar um basta, enquanto o marido estava trabalhando, a mulher arrumava seus pertences para fugir com as crianças. Entretanto, o homem - que, segundo ela, desconfiava da fuga - voltou antes do trabalho e a pegou no flagra fazendo as malas.

Enfurecido, ele destruiu o celular da esposa, para deixá-la incomunicável, e, novamente, a agrediu com socos na cabeça e por todo seu corpo até ela desmaiar.

De acordo com o boletim de ocorrência, a cabeleireira tem hematomas nos seios, pescoço, rosto e na cabeça. Após o espancamento, a mulher foi parar no hospital. Neste ínterim, a filha mais velha da vítima, uma adolescente, ligou para a tia, moradora de Praia Grande, e pediu socorro. A tia, então, foi resgatar a cabeleireira no hospital. 

Posteriormente, o homem entregou as filhas gêmeas de três anos para a esposa. Na tarde desta quarta-feira (9), a mulher procurou a Delegacia de Defesa da Mulher de Praia Grande e relatou todas as violências. O homem, que ficou sozinho no Grajaú, em São Paulo, vai responder por violência doméstica, lesão corporal, injúria e ameaça. A polícia investiga o caso.