DENÚNCIA

Mãe acusa PS no litoral de SP de negligência após filha atropelada esperar 5h por raio-x craniano

"Me senti negligenciada", alega mãe de adolescente atropelada que foi levada para pronto socorro de Bertioga com suspeita de traumatismo craniano e só conseguiu exame radiográfico cinco horas depois, em hospital privado, em Santos

21/05/2022 às 09:03.
Atualizado em 21/05/2022 às 09:49
Thailana (à esq.) e Gabrielly (Imagem: Acervo Pessoal / Thailana Andrade)

Thailana (à esq.) e Gabrielly (Imagem: Acervo Pessoal / Thailana Andrade)

Thailana Andrade, uma estudante de arquitetura de 34 anos, acusou o Hospital Municipal de Bertioga, no litoral de SP, de negligência, após Gabrielly Andrade Pereira, sua filha de 14 anos, dar entrada atropelada no pronto socorro da unidade, na manhã desta quinta (19), esperar durante cinco horas por uma radiografia craniana e sair do hospital sem o exame, obtido em um hospital particular de Santos.

“Eu só tenho ela de filha. É a minha vida. Me senti negligênciada”, disse Thailana em entrevista ao Portal Costa Norte nesta sexta (20). “Eu não tenho o que falar do médico, da equipe de enfermagem, foram muito atenciosos. Mas o hospital é uma decadência, o básico era um raio-x pra saber o que aconteceu com a menina. É negligência”.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Pronto Socorro do Hospital Municipal de Bertioga (Divulgação)

Questionada, a prefeitura de Bertioga enviou uma nota do INTS (Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde) que gere o hospital. O INTS disse que o problema foi provocado por falta de energia. Não é, porém, o que afirma Thailana.   

Ela relata que, na manhã de quinta, aguardava o início do desfile cívico em comemoração ao aniversário da cidade, na avenida que leva o nome da data - 19 de maio - quando sua filha foi atropelada por uma motocicleta ao atravessar a faixa de pedestres.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

“Ia começar o desfile. Estavam montado o palanque. Eu esperei ela atravessar a rua. Aí, um caminhão parou. Ela passou na faixa, na frente do caminhão e olhou. A moto veio do lado. Eu acho que ele [motociclista] não viu ela. Ele arremessou a minha filha a cinco metros de distância. Eu vi tudo”, relembra Thailana, com a voz embargada.

O motociclista, que no choque da moto contra o corpo de Gabrielly também caiu, alegou que não teve culpa e foi prestar esclarecimentos na delegacia, diz Thailana. Enquanto isso, ela foi socorrer a filha.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

“Na queda, ela bateu a cabeça. Aí ela ficou inconsciente. Meu Deus do céu. Quase que eu morri ali, vendo minha filha inconsciente”, narra, aos prantos, a mãe da jovem. “Ela convulsionou. Aí, como era o desfile, estava Samu, estava todo mundo lá. O socorro chegou rápido e a gente foi pro pronto socorro”.

Thailana afirma que deu entrada com a filha às 10h na unidade de pronto atendimento do Hospital de Bertioga. Como Gabrielly foi arremessada e bateu a cabeça, a suspeita clínica era de que a menina tivesse sofrido um traumatismo craniano, dúvida que uma radiografia poderia responder.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

não tinha um raio-x, pra ver se tinha um sangramento, pra ver se tinha um traumatismo craniano”, diz Thailana. Ela relata que esperou durante cinco horas pelo exame e, neste ínterim, equipes do hospital de Bertioga deram duas versões para a falta do equipamento.

“Disseram que não dava pra fazer [a radiografia] porque não tinha raio-x. Que estava quebrado. Depois falaram que não estava quebrado, mas que a fiação do hospital não estava funcionando”.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Sem exames, Thailana diz que, por volta das 15h, levou Gabrielly por conta própria para a Casa da Saúde, um hospital privado em Santos, onde a adolescente passou por uma tomografia e exames radiográficos.

Embora a jovem tenha quebrado o pé - diagnóstico que também poderia ter sido obtido por meio da radiografia - a suspeita de traumatismo craniano foi descartada. Gabrielly recebeu alta no mesmo dia e se recupera em sua casa, no Centro de Bertioga.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Sua mãe, todavia, diz que pretende judicializar o caso. “Foi muito traumatizante pra mim. Graças a Deus que nós temos um convênio. Se eu não tivesse um convênio, minha filha estava até agora no hospital. Sem ser atendida. Me senti negligenciada. Eu vou fazer um boletim de ocorrência contra hospital, que não tinha equipamento para atender os pacientes. Vou fazer o que eu puder, porque eu quero justiça. Isso não pode acontecer”.

“O aparelho de raio-x da unidade se encontra em funcionamento”, disse o INTS, que gere o hospital. O órgão afirma que, por falta de energia elétrica, o aparelho ficou indisponível temporariamente.   

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

“Os casos que exigissem o exame de raio-x, seriam transferidos por meio da Central de Regulação da Secretaria de Estado da Saúde”, justificou-se o INTS, “mas não houve outros casos com essa demanda.”

Thailane nega que, durante as cinco horas durante as quais permaneceu no pronto atendimento do hospital, tenha havido menção à transferência da filha por iniciativa do hospital.   

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

O Portal Costa Norte é um dos veículos de comunicação do Sistema Costa Norte de Comunicação, empresa que atua no litoral paulista há mais de trinta anos levando informação a toda a população com seriedade e imparcialidade.

Sistema Costa Norte de Comunicação© Copyright 2022Todos os direitos reservados ao Sistema Costa Norte de Comunicação.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por