LINDO, MAS PERIGOSO

Arraia gigante é capturada em rede de arrasto, em Bertioga | VÍDEO

Pescadores devolveram a arraia logo após a captura; pesca do tipo é legal, mas deve seguir as normas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama)

Da redação
16/10/2021 às 12:35.
Atualizado em 16/10/2021 às 15:19
Arraia gigante é capturada em rede de arrasto, em Bertioga | VÍDEO (Imagens: Portal Costa Norte)

Arraia gigante é capturada em rede de arrasto, em Bertioga | VÍDEO (Imagens: Portal Costa Norte)

Uma arraia, de espécie não identificada, foi capturada por pescadores, na manhã deste sábado (16), em Bertioga, no litoral de São Paulo. O animal estava emaranhado em uma rede do tipo arrasto e as imagens cedidas ao Portal Costa Norte mostram o exato momento em que pescadores devolvem o animal para o mar.

Várias pessoas ficaram surpreendidas e se aglomeraram entorno do animal na rede de pesca. A pescaria ocorreu por volta das 7 horas da manhã na Praia do Maitinga.

Faça parte do nosso grupo no WhatsApphttp://bit.ly/CNnoticiasdolitoral2 E receba matérias exclusivas. Fique bem informado! 📲

A reportagem procurou o Instituto Gremar, responsável pelo resgate e reabilitação da fauna marinha entre as cidades de Bertioga, Guarujá e Santos, no litoral de São Paulo. O biólogo Daniel informou que o instituto não foi acionado para a ocorrência e que, por meio das imagens, não é possível identificar a espécie.

Arraia gigante é capturada em rede de arrasto, em Bertioga (Foto: Portal Costa Norte)

Redes de arrasto

No litoral de São Paulo, a prática de pesca arrasto é legal, de acordo com a legislação vigente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), podendo ser praticada das 19 às 9 horas. 

A Polícia Militar Ambiental salienta que a pesca deve ser realizada por pesqueiros devidamente habilitados para a prática e não devem ser capturados animais em extinção.

Arraias

Biologicamente, as arraias podem ser classificadas como espécies cartilaginosas, aquáticas, membros da subordem Batoidea, com corpo delgado e com as aberturas das brânquias curiosamente posicionadas abaixo da cabeça. Elas pertencem à subclasse Elasmobranchii, onde também estão os tubarões, enguias, quimeras, cações, entre outras espécies semelhantes.

O veneno das arraias é composto por enzimas e pelo conhecido neurotransmissor “serotonina”, o mesmo responsável pelas sensações de prazer e bem estar –, só que, nesse caso, ele faz com que os músculos atingidos se contraiam, o que evita a circulação sanguínea, enquanto provoca a imediata sensação de dor.

Se a serotonina faz a sua parte contraindo os músculos, as enzimas tratam de destruir as células e os tecidos, causando o apodrecimento dos músculos e a interrupção da circulação. Caso não tratado a tempo, o dano pode levar até mesmo à amputação do membro comprometido ou mesmo a morte.

Veja o vídeo:

O Sistema Costa Norte de Comunicação atua no litoral paulista há mais de vinte anos levando informação a toda a população com seriedade e imparcialidade

Entre em contato:

Reclamações ou sugestões:

redacao@costanorte.com.br

Comercial e parcerias:

contato@costanorte.com.br

© 2021 Todos Os Direitos Reservados Ao Sistema Costa Norte de Comunicação

Desenvolvido por

Distribuído por