Datada de 1599, o santuário de Nossa Senhora de Monte Serrat é uma das igrejas mais antigas do Brasil. Desde 1954, a santa é a padroeira de Santos, porém sua devoção vem desde muito antes. No final do século 16, o governador geral do Brasil, Dom Francisco de Souza, mandou erguer uma capela no então chamado Morro de São Jerônimo.

Sua ideia era homenagear Nossa Senhora do Monte Serrat, padroeira da Catalunha, no período de dominação espanhola. No entanto, em Santos, havia muita resistência. Por isso, o templo era praticamente ignorado pelos colonos portugueses, que preferiam rezar à Santa Catarina de Alexandria. 

O cenário mudou em fevereiro de 1615, com a invasão holandesa. O Monte Serrat passou a servir de abrigo à população quando a então vila era constantemente invadida por piratas.

Em um desses ataques, quando o pirata holandês Joris Van Spilbergen chegou à costa santista, para fugir e se manter em segurança, a população que habitava a região subiu o morro para rezar para que a Virgem Maria do Monte os protegesse. Os invasores que vinham em busca de riquezas e sempre deixavam rastros de medo e destruição acabaram soterrados. Os que conseguiram escapar com vida voltaram para o navio e deixaram a cidade.

O milagre, atribuído a Nossa Senhora anos depois, tornou-a padroeira da cidade em 1954. A data da padroeira é comemorada todo dia 8 de setembro, desde o ano seguinte, 1955.

Origem

O primeiro santuário de Nossa Senhora de Monte Serrat foi construído na Espanha, em uma cidade próxima a Barcelona. O nome tem origem na montanha onde estava situado. A imagem da santa, também conhecida como ‘la moreneta’, foi levada para Barcelona e a população tornou-se rapidamente devota.

Durante a invasão sarracena, os cristãos esconderam a imagem na serra escarpada, para que ela ficasse em segurança e não fosse encontrada pelos invasores. Tudo foi destruído e só dois séculos depois pastores subiram a serra e encontraram, numa caverna, a imagem da santa enegrecida pelo tempo.

A santa chegou ao Brasil por intermédio dos frades de São Bento. Em Santos, o nome do morro foi uma ordem do então governador Dom Francisco de Souza, em 1604 (um ano após a entrega da paróquia).

Monte

O Monte Serrat é um dos principais pontos turísticos de Santos. Com 402 degraus e 14 nichos, a escadaria é palco de diversos eventos como a Descida das Escadas de Santos e a procissão da padroeira da cidade: Nossa Senhora de Monte Serrat. 

Além da escadaria, que tem 147 metros de altura, o Monte Serrat conta com duas grandes atrações, o antigo cassino e o Santuário de Nossa Senhora do Monte Serrat, construído há mais de 400 anos, e principal monumento do local.

Os 14 nichos com as cenas da Via Sacra foram inaugurados entre 1939 e 1941 para que os devotos de Nossa Senhora repitam o caminho percorrido por Jesus até seu Calvário, fazendo suas preces e agradecimentos. Sob responsabilidade dos monges beneditinos desde 1652, a capela foi descaracterizada durante todos esses séculos, mas a reforma feita em 2011, 165 anos depois da última, restaurou a configuração existente no século 18.

Bonde

Para facilitar o acesso ao topo, imigrantes espanhóis começaram a construir um sistema de bonde em 1910, mas a Primeira Guerra Mundial comprometeu as importações e o projeto só foi concluído em junho 1927.

Com materiais nobres, como mármore de Carrara, vitrais belgas, cortinas e tapetes franceses, prataria e cristais da Europa, a casa noturna era conhecida até no exterior e servia como ponto de referência para os turistas.

São quatro minutos de subida a 147 metros da encosta do Monte Serrat e uma vista de 360 graus da cidade. Também é possível ver parte dos municípios de São Vicente, Cubatão e Guarujá. Os bondinhos com capacidade para até 45 passageiros por viagem em um percurso de mais de 240m. A tarifa custa R$ 44, idosos pagam meia e crianças de até 8 anos são isentas.