O Canal 4, em Santos, no estado de São Paulo, foi inaugurado junto ao Canal 3 há quase um século, em 1923. A obra é considerada revolucionária, ao mudar completamente não só a estrutura da cidade, mas o tratamento de esgoto, salvando vidas (assista ao vídeo abaixo).

Menos de 30 anos antes da inauguração do canal 4, entre as décadas de 1890 e 1900, metade da população Santista morreu de alguma doença relacionada a falta de um sistema de esgoto. 

No período, segundo informações da publicação Novo Milênio, só a febre amarela provocou 6.683 mortes. Outras doenças cuja proliferação fustigava a população eram varíola, peste bubônica, impaludismo, disenteria e febre tifoide.

Todas as enfermidades tinham sua disseminação relacionada a um sistema de drenagem e de saneamento básico precários, numa cidade no nível do mar que sofria de alagamentos constantes.

Saturnino de Brito, o projetor pioneiro do sanitarismo

É por isso que, além de embelezar a maior cidade da Baixada Santista, os canais de Santos entraram para a história da cidade como uma obra que revolucionou a qualidade de vida da população.  Construídos há quase um século, os canais tinham estrutura de manejo de resíduos sólidos, evitando que eles fossem desaguados no mar.

O responsável pela obra, que já se preocupava com os recursos hídricos, foi o engenheiro sanitarista brasileiro Francisco Saturnino Rodrigues de Brito, também conhecido como Saturnino de Brito. Formado na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, Saturnino de Brito é considerado um pioneiro da engenharia sanitária no Brasil.

Brito disputou com Prestes Maia o plano de urbanização da cidade de São Paulo no início do Século XX. O projeto de Brito, que, segundo a publicação de arquitetura e urbanismo ‘Caos Planejado’ propunha a retificação das margens do Rio Tietê com 90 a 120 metros, acabou perdendo.

Atualmente, com as preocupações com o meio ambiente e com as bacias hidrográficas, muitas vezes no centro de questões urbanas, pensa-se o que teria sido da metrópole e se o projeto de Brito tivesse vencido.  

O Canal 4, na Cidade de Santos

Santos é uma cidade com diversos canais sanitários. Além de sua função sanitária, os canais, considerados o referencial urbano mais importante da cidade, fazem de Santos uma cidade onde é fácil se localizar.

No livro A Cidade em Debate, o jornalista Carlos Mauri Alexandrino, argumenta poeticamente que há uma conexão emocional entre os Santistas e os canais na cidade. "Eles [os canais] estão entranhados na alma do santista, pois percorrem toda a planície, como veias abertas onde corre o mar. Neles, sobrevoa, como as garças brancas, o espírito da Cidade”.

O canal 4 perpassa  a cidade de fora a fora, de norte a sul, do porto de Santos à praia, onde separa as areias do Boqueirão e do Embaré. Diferentemente de outros canais, como o da ponta da praia, faz uma curva.

 Junto do canal na cidade da famosa Vila Belmiro, corre a avenida Siqueira Campos, que leva o nome de uma figura histórica brasileira.

Quem foi Siqueira Campos, que dá nome à avenida do canal 4

Antonio Siqueira Campos foi um militar e político brasileiro que participou de um importante evento histórico brasileiro: a revolta dos 18 do Forte de Copacabana no início do Movimento Tenentista.

O tenentismo foi um movimento político e militar conduzido por jovens oficiais brasileiros durante o período da Primeira República, na década de 1920. Esse grupo de oficiais era composto por tenentes e capitães insatisfeitos com o sistema político brasileiro, principalmente com as práticas do jogo político imposto pelas oligarquias.

Então tenente das forças armadas, Siqueira Campos, foi um dos 18 participantes da primeira grande revolta do Movimento Tenentista. Em 5 de julho de 1922, em meio a diversas tensões entre os militares e o então presidente Arthur Bernardes, os 18 oficiais resolveram marchar na direção das tropas do governo, acabando cercados no forte de Copacabana por 3.000 soldados do governo.

Dos 18 oficiais cercados, somente dois sobreviveram: Eduardo Gomes e Siqueira Campos. A notícia da revolta correu o país feito rastilho de pólvora, inspirando oficiais tenentistas pelo país afora. Diversas outras revoltas foram registradas, culminando na Coluna Prestes, em 1925.

O nome de Siqueira Campos, então, celebrizou-se como um dos símbolos do Movimento. O oficial tenentista dá nome ao Parque Trianon, na avenida paulista, em São Paulo, e a outras diversas ruas no país. Em Santos, empresta seu nome histórico à avenida do canal 4.