Câmara aprova criação do Fundo Soberano com royalties do petróleo e gás | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Política
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

Câmara aprova criação do Fundo Soberano com royalties do petróleo e gás

A compensação pela exploração de petróleo e gás representa a principal fonte de renda de Ilhabela


25 de abril de 2018 às 16:03
Por Da Redação
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos
O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos Foto: Marcela Wenceslau/Câmara de Ilhabela

Os vereadores de Ilhabela aprovaram na sessão de terça-feira, 24, o projeto de lei 131/2017, encaminhado pela prefeitura, que cria o Fundo Soberano Municipal (FSMI) e que deverá ser alimentado com os recursos obtidos através dos royalties de petróleo e gás. A redação final aprovada com emendas de parlamentares garante que sejam destinados ao fundo o valor equivalente a 15% da arrecadação anual e 50% do excesso do total arrecadado.

Os royalties são um tipo de compensação financeira paga pela extração ou mineração do petróleo ou gás natural. Ilhabela começou a receber essas receitas por meio da lei 9.478/1998, mas foi a partir de 2008 que a cidade viu a arrecadação crescer com o início da exploração do Campo de Sapinhoá Norte.

Em 2017, o município arrecadou aproximadamente R$ 627 milhões, sendo que deste montante mais de R$ 439 milhões vieram dos royalties, o que coloca a compensação financeira pela exploração desses recursos como a principal fonte de renda de Ilhabela. A previsão para 2018 é que esse valor chegue a R$ 450 milhões, totalizando mais de 60% do orçamento.

Atendendo aos anseios da população expostos em audiência pública na Câmara, os vereadores fizeram as modificações no PL aumentando os percentuais a serem reservados para o FSMI. O objetivo é evitar que, no futuro, a cidade sofra com a queda ou fim da arrecadação oriunda da exploração desses recursos finitos.

A emenda, de autoria do vereador Anisio Oliveira (DEM) com apoio de todos os vereadores, triplica o percentual inicial de 5% proposto pela prefeitura. Com a emenda, o índice deve ser iniciado com 15% este ano e alcançar os 55% da arrecadação anual em 2022, chegando a mais de R$ 900 milhões, sem considerar os juros e correções.

O vereador Anisio Oliveira (DEM) salientou: “O prefeito ainda precisa sancionar, mas chegamos a etapa final de um projeto que foi muito discutido com a sociedade e isso me deixa feliz, porque é a cidade quem ganha, veremos o reflexo no futuro. Essa é uma data que ficará para a história e este talvez seja o principal projeto de lei desta administração”.

As alterações também estabelecem que o decreto de regulamentação do Fundo seja submetido à aprovação do Conselho Deliberativo do FSMI e do Conselho Municipal de Acompanhamento da Aplicação dos Royalties – CONFIRO, em assembleia geral aberta a todos os interessados. Outra modificação no projeto restringe as condições para resgate do fundo apenas em situação em que a arrecadação chegue a 50% da receita corrente líquida do ano vigente ou em caso de catástrofe ambiental.

A emenda proposta pelo vereador Gabriel Rocha (SD,) e também assinada pelos pares, garante a destinação de 50% do excesso de arrecadação anual dos royalties ao Fundo Soberano, ampliando ainda mais os valores de reservas para o futuro. “Esse é um marco na história do país, acredito que seja a primeira cidade a reservar os royalties. Além do percentual cumulativo, a emenda assinada por todos os vereadores reserva 50% do excesso, ou seja, do valor que não está previsto. Se estiver previsto R$ 800 milhões e recebermos R$ 200 milhões a mais, metade desse excedente será direcionado ao fundo”, acrescentou.

Veto derrubado

Ainda na pauta da sessão de terça-feira, 24, os vereadores derrubaram o veto parcial do Executivo ao projeto de lei 113/2017, de autoria do suplente de vereador, Mateus Pestana (PCdoB). A propositura prevê a divulgação da relação dos medicamentos disponíveis para distribuição na rede municipal de saúde. O veto que alegava violação ao princípio da independência e harmonia dos poderes, contou com apenas um voto favorável do vereador Valdir Veríssimo (PPS). Os demais vereadores votaram contrários ao veto parcial e a favor do projeto de lei.

Gratidão Caiçara

Com dois votos contrários do vereador Luiz Paladino de Araújo, o Luizinho da Ilha (PSB) e da vereadora Maria Salete Magalhães, a Salete Salvanimais (PSB), foi aprovado pela maioria o projeto de decreto legislativo 2/2018, proposto pelo vereador Cleison Ataulo Gomes, o Cleison Guarubela (DEM), que concede Título de Gratidão Caiçara ao ex-prefeito de Ilhabela, Manoel Marcos de Jesus Ferreira. “Esse é um título de gratidão caiçara a uma pessoa que trabalhou muito pela cidade, foi vereador, presidente desta Casa de Leis e prefeito por dois mandatos”, declarou o autor da propositura. 

Tribuna Popular

O ex-prefeito de Ilhabela, Antônio Luiz Colucci, fez uso da Tribuna Popular ao término da sessão para falar sobre a Operação Prelúdio da Polícia Federal. Segundo relatou, diferente do informado oficialmente pela prefeitura, a investigação diz respeito ao contrato atual, firmado em 2017 e não tem relação com anos anteriores que compreenderiam a sua gestão enquanto chefe do Executivo.

A informação foi publicada em nota oficial da Polícia Federal no dia 19 de abril, data em que o órgão deflagrou duas operações simultâneas: Torniquete II e Prelúdio, em São Sebastião e Ilhabela com o objetivo de apurar ocorrências de crimes de fraude à licitação e de desvio de recursos públicos.

Últimas Notícias