Logo do Jornal Costa Norte
|
Política

O vereador mais votado de Bertioga deixa o mandato

Em sessão interrompida, Pacífico Jr. entregou sua carta de renúncia; vereadores se retiraram do plenário após votação dos três itens da ordem do dia


11 de abril de 2018 às 09:36
Por Estela Craveiro
Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga
Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga Foto: JCN

Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga
Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga Foto: JCN

Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga
Pacífico Jr. anuncia sua renúncia no plenário da Câmara Municipal de Bertioga Foto: JCN

Pacífico Jr. e Valéria Bento em despedida após pronunciamento
Pacífico Jr. e Valéria Bento em despedida após pronunciamento Foto: JCN

O anúncio da renúncia do vereador Pacífico Jr. (PROS) foi um dos principais acontecimentos da sessão da Câmara Municipal de Bertioga da terça-feira, 10. O outro foi o abandono do plenário pela maioria dos vereadores após a votação das três matérias inscritas na ordem do dia. Foram aprovados em primeira discussão projetos do Executivo regulando, por meio de lei, reajustes dos servidores públicos e autorizando a prefeitura a abrir crédito adicional suplementar. Em discussão única, foi mantido veto parcial do prefeito Caio Matheus à lei 063/2017, que regulamenta horários de funcionamento de bares e similares.  Os dois projetos serão votados em segunda discussão em sessão extraordinária, às 10h de sexta-feira, 13.

Formação de líderes

Em seu segundo mandato, Luiz Carlos Pacífico Jr. , eleito em 2016 com 1.383 votos, adiantou-se ao fim da licença de 90 dias, sem remuneração, que pediu no início da legislatura de 2018 e vencerá em 6 de maio. Ele compareceu à tribuna para entregar sua carta de renúncia e justificar sua decisão: “Realizei o meu sonho de ser eleito vereador, inclusive o mais votado, e depois regressei à Câmara, também como vereador mais votado. É uma grande responsabilidade e terei eterna gratidão a todos os eleitores que acreditaram em nosso trabalho. Mas chegou o momento que eu não esperava. Estou renunciando, mas quero dizer às pessoas que não tem nenhuma questão particular com ninguém, contra ninguém. Preciso me voltar para questões familiares e profissionais que exigem bastante tempo. Por conta desse tempo, que daqui por diante sei que não terei, não me sinto no direito de estar aqui ocupando espaço. Tenho alguns sonhos, chegou a hora de serem realizados. Saio de cabeça erguida. E sei que serei bem representado”. 

Em entrevista ao jornal Costa Norte, Pacífico Jr., que, além de formado em gestão pública, também é produtor cultural, locutor e radialista, contou que continuará fazendo seus eventos, como o show de pré-Réveillon que realizou no fim de 2017 na entrada da cidade, com grandes nomes da música brasileira; levando seu programa musical Paradão Sertanejo ao ar na rádio Praia FM, do Sistema Costa Norte; e voltará a apresentar eventos. Simultaneamente, prestará consultoria nas áreas de política pública e marketing digital.

Nos próximos meses, ele revela, criará, na internet, uma plataforma de conteúdo de políticas públicas, visando a formação de novos líderes. O objetivo de Pacífico, que atua na política desde 2000, e se elegeu vereador pela primeira vez em 2012, com 1.493 votos, e foi secretário de Turismo, Esporte e Cultura no último governo de Mauro Orlandini, é compartilhar a experiência adquirida: “Minha vida é pautada pela formatação de políticas públicas. Se puder colaborar com alguns produtos para auxiliar pessoas que queiram se iniciar na vida pública, ficarei feliz. Não preciso de cargo para continuar apoiando pessoas e projetos. E não vou poupar esforços para auxiliar o Legislativo e o Executivo para termos uma cidade melhor”.

Ordem do dia

Após a fala de Pacífico Jr., a sessão teve um ritmo anormal. Primeiro, o vereador Luiz Henrique Capellini (PSD) pediu a inversão da pauta, aprovada. Com isso, antes do momento da apresentação dos trabalhos dos vereadores, que costuma preceder a votação, os três itens inscritos na pauta foram votados.

O projeto de lei 009/2018, do Executivo, autorizando a abertura de crédito adicional suplementar de R$ 1,5 milhão para contração de recursos humanos para o Hospital Municipal, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) teve aprovado o pedido de tramitação em regime de urgência especial. A seguir, foi aprovado em primeira discussão.

Também tramitando em regime de urgência especial, foi aprovado em primeira discussão o projeto de lei 010/2018, que regula, por meio de lei ordinária, as correções salariais dos funcionários públicos municipais concedidas por meio de decretos nos últimos cinco anos, atendendo a determinação do Tribunal de Justiça  do Estado de São Paulo.

Foi mantido o veto do prefeito Caio Matheus ao artigo 6º da lei 63/2017, que estabelece horários de funcionamento de bares, adegas, lojas de conveniência e similares, e continha emenda do vereador Eduardo Pereira (SD) para permitir, “a título precário”, a regulamentação de comércios existentes em bairros previstos como exclusivamente residenciais no Plano Diretor em vigor, de 1998, como na Vista Linda, por exemplo.

Com isso, esses negócios terão que aguardar as definições de zoneamento do novo Plano Diretor para serem oficializados. O veto foi aprovado pelos seis vereadores presentes. Estavam ausentes os vereadores Ney Lyra (PSDB), presidente da Câmara Municipal, que se encontrava em reuniões na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, e Biró (PTB). Eduardo Pereira, vice-presidente da Casa, absteve-se de votar.

Quórum interrompido

Após a votação, faltou quórum para continuar a sessão, quando saíram do plenário os vereadores Dr. Arnaldo (PV), Matheus Rodrigues (DEM), Valéria Bento (MDB) e Luís Henrique Capellini (PSD).  O vereador Biró havia se retirado momentos antes. Permaneceram os vereadores Eduardo Pereira e Ivan de Carvalho (PSD). Mantida a falta de quórum após intervalo de dez minutos, a sessão foi encerrada.

Últimas Notícias