Deputado defende intervenção no Rio, mas pede reunião pela segurança de SP | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Política
Foto: Divulgação

Deputado defende intervenção no Rio, mas pede reunião pela segurança de SP

Squassoni articula reunião entre Alckmin e autoridades federais para discutir possibilidade de migração de criminosos para território paulista


20 de fevereiro de 2018 às 13:10
Por Da Redação

A intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro foi defendida em plenário pelo deputado federal Marcelo Squassoni (PRB) na noite de segunda-feira, 19. Apesar de defender a medida, ele requereu uma reunião de emergência entre o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e autoridades federais, para traçar estratégias capazes de impedir a migração da criminalidade para território paulista, especialmente às cidades do litoral.

O deputado ressaltou as semelhanças territoriais entre o litoral paulista e a capital carioca: “Como no Rio, há no Litoral Paulista rotas fluviais e aquaviárias, inclusive com infraestrutura portuária, que poderiam facilitar o escoamento ilegal de grandes quantidades de drogas, problema que já foi constatado no Porto de Santos”.

Para Squassoni, as amplas regiões de morros em cidades como Guarujá, Santos e São Sebastião, por exemplo, também representam um risco, por poderem facilitar o encastelamento de marginais, considerando suas características geográficas, tal qual ocorre em boa parte dos morros cariocas. “As estruturas do crime organizado no Brasil são grandes e interligadas, como se sabe, e a população paulista, bem como as dos estados vizinhos ao Rio, precisa de garantias. É o que estamos pleiteando”, justificou.

Aprovado

A votação em Plenário entrou noite adentro e terminou com 340 votos favoráveis à intervenção na Segurança Pública do Rio, com 72 contrários e uma abstenção. O decreto da intervenção já está em vigor desde o último dia 16, quando foi assinado pelo presidente da República, Michel Temer. Entretanto, para continuar valendo, é necessária a aprovação pelo Congresso Nacional. Agora a medida passará pelo crivo do Senado.

Com a intervenção, a área de segurança no Estado do Rio, incluindo as polícias Civil e Militar, o Corpo de Bombeiros e o sistema carcerário, deixa de ser responsabilidade do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e passa a ser do Governo Federal. O general do Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, foi nomeado interventor e ficará no comando até o dia 31 de dezembro deste ano, de acordo com os termos do decreto.

Últimas Notícias