Renato Aguilar quer construir nova sede da Câmara e realizar concurso público até 2018   | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Política

Renato Aguilar quer construir nova sede da Câmara e realizar concurso público até 2018  


31 de outubro de 2017 às 16:30
Por Costa Norte
Presidente da Câmara de Caraguatatuba avalia primeiro ano à frente do Legislativo, fala dos problemas da cidade e das próximas metas profissionais e pessoais


“De projetos prioritários, o primeiro é lançar a pedra fundamental da nova sede da Câmara, na região central de Caraguá, ainda que seja entregar o esqueleto, para que o  próximo presidente continue a obra. A segunda meta é realizar concurso público para a Câmara, até o ano que vem. Terceiro, ampliar e implementar o projeto Câmara Jovem. Quarta prioridade é continuar fazendo tudo com transparência”, confirma o vereador e atual presidente da Câmara Municipal de Caraguatatuba Renato Leite Carrijo de Aguilar, o Tato Aguilar (PSD).

Tato explica que a prioridade é a nova sede na área central, assim, a população das regiões norte e sul não serão penalizadas. “Hoje, a cidade não está preparada pra levar a nova prefeitura e a nova Câmara para próximo do Serramar Shopping, pois não quero matar o centro da cidade. Minha prioridade é encontrar um terreno na região central para a construção da nova sede e começar a obra. Temos que proporcionar uma boa estrutura para o munícipe querer vir à casa de leis. Hoje, a estrutura é bem fragilizada e os gabinetes dos vereadores são muito estreitos. Não tem privacidade”, revela.

Quanto às principais funções de um presidente da Câmara, Tato Aguilar confirma que cabe a ele cuidar dos trabalhos administrativos, burocráticos e parlamentares, assim como administrar um orçamento anual de cerca de R$ 18 milhões. “Tenho que cuidar das contas, do ambiente da Câmara, de 23 servidores efetivos, 11 estagiários. Mesmo sabendo que são 76 servidores ao todo com os comissionados”, confirma e diz que vai criar uma portaria ainda este ano, para autorizar o concurso público a ser aplicado o ano que vem. “Esta é uma recomendação do tribunal de contas. O número de servidores do Legislativo hoje está bem defasado. Houve, sim, uma demora pra sair este concurso, mas porque temos muitas outras ações como dar andamento às CAR (Comissões de Assuntos Relevantes), sediar as sessões na casa, receber escolas. Também represento o prefeito e levo o nome de Caraguá em reuniões, buscando recursos, emendas e cobrando o andamento em projetos parados”.

Sua avaliação do primeiro ano à frente do Legislativo é positiva: “Primeiro,  pela parte política com os bons projetos que aprovamos. Consegui aprovar uma lei que beneficia os músicos, que, antes de qualquer apresentação de artistas maiores, têm agora a oportunidade de mostrar seus talentos. É um legado que deixo aos músicos, pois a gente passa, a lei fica. Também aprovamos várias moções a atletas, rotarianos, conselho tutelar, professores, advogados e outros profissionais que prestam bons serviços ao município. Por ser a Casa do Povo, temos o dever de reconhecer os bons munícipes”.

O presidente afirma que a população comparece mais à Câmara, já que, das 35 sessões realizadas, mais de 30 tiveram bom público. E que a maior dificuldade deste ano foi a questão do emprego. “Nós, vereadores, somos cobrados. A população vem pedir pra resolvermos casos de separação de marido e mulher, o cachorro do vizinho que é bravo, a árvore que cai, a dentadura e o emprego. Tudo cai aqui. Não damos as costas, mas isto não é o nosso trabalho principal. O que temos que fazer é fiscalizar o Executivo”.

Referente ao fato de a cidade não ter oposição hoje, Tato discorda. “Somos cobrados. Não há omissão de trabalho pelo fato de o prefeito ser meu irmão, meu melhor amigo. Eu o cobro diariamente. E por saber que ele é sangue do meu sangue, as minhas ideias comungam com as ideias do Aguilar Júnior. E somos jovens, temos um projeto político pela frente. Honramos a história do nosso pai. Não podemos ser frágeis, porque somos irmãos. Eu cobro os secretários, cobro o prefeito. Prezo por transparência. De alguma forma, seja por requerimento no papel ou execução do que pedimos, tudo chega ao prefeito”.

Sobre os principais problemas do município, ele enumera o emprego e o transporte público (mobilidade urbana): “Podemos cobrar a empresa Praiamar, que presta serviço aqui, apoiar o prefeito na questão do entroncamento do rio Juqueriquerê, pois isto vai trazer empregos para a cidade, para que todos os barcos consigam passar na boca do rio a qualquer hora, o que não acontece hoje. Isto está atrelado à principal fonte de renda do município que é o turismo. Empregou-se muita gente nas obras do contorno, mas estes trabalhadores têm data pra concluir a obra e não terão mais emprego. Já as marinas geram emprego direto para a população. Vamos continuar apoiando projetos que geram renda, como os sociais e turísticos. E quanto ao transporte público, já tem uma CAR - Comissão de Assuntos Relevantes - pra avaliar isto”.

Em suas duas recentes viagens a Brasília, nos dias 20 de setembro e 25 de outubro, ele conseguiu uma verba de R$ 1,5 milhões para o combate à dengue. “Na semana passada, voltei de Brasília cobrando uma verba para o Esporte que está pra sair. Participei de uma reunião na Abramt (Associação Brasileira de Municípios com Terminais Marítimos, Fluviais, Terrestres de Embarque e Desembarque de Petróleo e Gás Natural) representando Caraguá, e trouxe uma parcela que estava atrasada do programa Mais Educação, que possibilita às escolas terem ensino integral”.

Tato Aguilar gostaria de ser lembrado como um político transparente, que trouxe mudanças positivas à política municipal, e que investiu nas futuras gerações de políticos. Sua principal meta pessoal é constituir uma família, já que é solteiro. Profissionalmente, a meta é ajudar cada vez mais o município a crescer.

Bruna Vieira – Agência Gentecom

Foto: Vitor Miki

 

Últimas Notícias