Condesb busca soluções para o desemprego na Baixada Santista | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Política

Condesb busca soluções para o desemprego na Baixada Santista


31 de agosto de 2017 às 14:24
Por Costa Norte
Um grupo de representantes das prefeituras, sindicatos, empresários e universidades deve ser formado para a elaboração de um plano


Nos últimos 10 anos, cerca de 50 mil vagas de empregos foram perdidas na região e, para buscar soluções, o Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) pretende criar um plano pelo desenvolvimento socioeconômico. As diretrizes seriam definidas a partir de um grupo formado por representantes das nove prefeituras, sindicatos, empresários e universidades.

Esse grupo contará com nove integrantes dos quatro setores, totalizando 36 pessoas que apresentarão um diagnóstico dos segmentos. A partir da análise deste diagnóstico, a questão será debatida com a participação de deputados estaduais e federais da região metropolitana.

O presidente do Condesb e prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, destacou a importância da união não apenas dos municípios, mas de todos os setores. Disse ele: “Há um desaquecimento não só pela questão da crise econômica nacional, em decorrência da crise política e de fatores que teríamos que falar longamente, mas é fato que esse desaquecimento já vinha ocorrendo ao longo de anos em decorrência de realinhamentos produtivos, de consumo diferenciado. A tecnologia interfere nesse processo que extingue e cria novas atividades. Temos que fazer um rearranjo produtivo e criar uma disruptura”.

Para Mourão, o erro da Baixada Santista foi a falta de acompanhamento e estudo no desenvolvimento da sociedade moderna, influenciada pela mudança tecnológica. “Por isso a minha convocação da universidade, do trabalhador e do empregador: para pegar a informação de cada setor e, de uma forma mais rápida, tentarmos achar alternativas para reaquecer a economia regional”.

Na última reunião do Condesb, realizada na terça-feira, 29, em Cubatão, este foi um dos temas abordados. A cidade que sediou o encontro, inclusive, tem mantido as principais discussões sobre a empregabilidade, já que, das 50 mil vagas perdidas na região, 12 mil foram no município, conforme dados da prefeitura. O prefeito de Cubatão, Ademário Oliveira, afirmou que um dos fatores responsáveis pela perda de empregos seria a má condução da política econômica nacional e que a importação de chapas de aço da China influenciaram diretamente nesse número com o encerramento, na cidade, da produção de chapas pela Usiminas. Disse o Ademário: “Isso nos afetou drasticamente, não só a cidade de Cubatão como toda a região, do ponto de vista da empregabilidade. Então a união de esforços da Agem e do conselho de desenvolvimento para que retomemos e possamos referendar a cidade de Cubatão não só para a região, mas como para o país e para o mundo como a melhor cidade para se investir”.

O prefeito apresentou também a informação de que a Usiminas tem interesse em disponibilizar as áreas em que funcionava o setor de laminados, atualmente inativa, para empresas interessadas em novos empreendimentos na região.

Durante o encontro, representantes da já formada Comissão de Desempregados de Cubatão e Baixada Santista, eleita pelas entidades sindicais na segunda-feira, 28, entregaram ao Condesb uma lista com as principais propostas e reivindicações já votadas pelo grupo. Entre elas constam: criação de frentes de trabalho; do restaurante popular Bom Prato; passe livre para desempregados, no sistema de transportes; termo de compromisso de que todas as vagas de emprego geradas na cidade sejam enviadas ao Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) local; oficialização do Conselho Municipal em Defesa do Emprego; criação de uma política de desenvolvimento industrial e de cursos de qualificação profissional. As propostas dos representantes dos empresários e das universidades devem ser encaminhadas ao grupo na próxima semana.

Presente à reunião, o deputado estadual Paulo Corrêa (PEN) informou que o projeto de lei de sua autoria que considera Cubatão como cidade de interesse turístico do estado está em fase adiantada em sua tramitação, com aprovação em todas as comissões técnicas. Segundo apontou, ainda falta o aval positivo pela “Câmara Municipal, do Plano Diretor de Turismo da cidade, para encaminhá-lo para apreciação dos setores técnicos da Secretaria Estadual de Turismo". O projeto deve ser debatido na sessão da Câmara de Cubatão de terça-feira, 5. Caso a cidade passe a ser considerada de interesse turístico, ela passará a receber recursos estaduais na ordem de R$ 650 mil anuais.

Foto: Alê Souza/PMC

 

 

Últimas Notícias