Infraestrutura cai, em termos de valor, na indústria da construção | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte

Sistema Costa Norte de Comunicação

Logo do Jornal Costa Norte

Infraestrutura cai, em termos de valor, na indústria da construção

Alana Gandra/Agência Brasil
27 de maio de 2020 às 15:30

Pesquisa Anual da Indústria da Construção referente a 2018 (Paic 2018), divulgada hoje, 27, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro, revela modificação na estrutura do setor em comparação a 2009.

Um dos destaques é a perda de espaço das obras de infraestrutura, que caíram de 46,5% para 31,3% em dez anos. No fim de 2018, o setor da construção englobava 124,5 mil empresas ativas e ocupava 1,9 milhão de pessoas. O gasto com salários, retiradas e outras remunerações somou R$ 53,3 bilhões naquele ano.

Participe dos nossos grupos  http://bit.ly/CNAGORA3  🕵‍♂Informe-se, denuncie!

Em termos de valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção, a atividade da construção gerou R$ 278 bilhões em 2018.

Ela é dividida em três segmentos: construção de edifícios, que engloba incorporações, empreendimentos imobiliários, edificações e a própria construção de prédios; obras de infraestrutura, como rodovias, ferrovias, construção pesada, telecomunicações; e serviços especializados para construção, o que envolve atividades de apoio, entre as quais acabamento, demolições, por exemplo.

Os três setores têm dinâmicas específicas, inerentes a cada um deles, disse à Agência Brasil a gerente de Análise e Disseminação das Pesquisas Estruturais do IBGE, Synthia Santana.

Queda

A economista afirmou que o grande destaque da PAIC 2018 é a queda das obras de infraestrutura porque essas estão relacionadas a grandes investimentos. 

“É um segmento que tem um porte muito maior de empresas, ou seja, emprega muita gente por empresa, com maior remuneração. Então, quando esse setor cai, a queda observada nessa atividade tem implicações muito importantes na indústria da construção, justamente pelo tamanho desse setor”, analisou Synthia.

O item obras de infraestrutura, que liderava historicamente o ranking em termos de valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção, caiu para a segunda posição em 2018, com R$ 87 bilhões, ultrapassado por construção de edifícios, com R$ 126,6 bilhões. Serviços especializados para construção apresentaram R$ 64,4 bilhões.

Do total de R$ 278 bilhões em valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção gerados pela atividade da construção em 2018, 95,1% foram provenientes de obras e/ou serviços da construção e, o restante, de incorporações de imóveis construídos por outras empresas.

Setor público

Synthia Santana destacou também a importância das obras de infraestrutura quando se analisa os clientes da indústria da construção. 

“Historicamente, as obras de infraestrutura são demandadas pelo setor público, cuja participação caiu bastante nesses últimos dez anos, tanto no total, quanto especificamente nas obras de infraestrutura, onde houve maior variação”, disse. Quando se compara com o histórico de construções do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), verifica-se que muitas delas estão paradas, observou.

De acordo com a pesquisa, a participação do setor público na indústria da construção caiu 12,5 pontos percentuais nos últimos 10 anos (de 43,2%, em 2009, para 30,7%, em 2018) , fato que ocorreu simultaneamente nas três atividades que compõem o setor. O item obras de infraestrutura passou de 61,5% para 50,4% na década. Já no segmento de construção de edifícios, o recuo foi de 6,7 pp, caindo de 28,6% para 21,9%. 

Estabilidade

As contratações de serviços especializados para construção (19,3% contra 20,4% em 2009) se mantiveram praticamente estáveis na comparação dos últimos dez anos, com perda de 1,1 pp no período.

Essa retração das obras de infraestrutura foi influenciada pelas dificuldades enfrentadas pela economia em 2015 e 2016. “A gente vem de uma desaceleração recente muito forte. Em 2017, a gente começa a ensaiar os primeiros sinais de recuperação; 2018 mostra isso em evolução, mas a construção não foi capaz de se recuperar”, acentuou. 

Vendo os dados das Contas Nacionais, nota-se que a construção, entre os componentes do Produto Interno Bruto (PIB), teve queda de 3,8%. “Notamos que obras de infraestrutura têm um papel fundamental nesse sentido porque são relacionadas a grandes investimentos, de longa maturação, que precisam ter um cenário econômico, político e institucional mais estável”, frisou a gerente da pesquisa.

Enquanto as obras de infraestrutura tiveram sua participação reduzida de 46,5%, em 2009, para 31,3%, em 2018, a construção de edifícios passou a compor 45,5% do valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção em 2018, contra 39,5% em 2009, ocupando a liderança desse ranking. 

Já os serviços especializados para construção, embora apareçam em terceiro lugar, foram os que mais ganharam participação ao longo da década, com expansão de 9,2 pontos percentuais, passando de 14% para 23,2%.

Poder de mercado

O indicativo de poder de mercado abordado pela pesquisa do IBGE para analisar a concentração existente na indústria da construção revela que houve, no período, uma desconcentração dessa atividade. 

Em 2009, as oito maiores empresas do setor eram responsáveis por 12,4% do valor das obras. Esse número caiu em 2018 para 4,4%. 

“Ou seja, a concentração caiu cerca de um terço e a maior queda (15,7 pp) foi observada exatamente nas obras de infraestrutura. Esse poder de mercado vai se distribuindo em mais empresas. É por isso que essa desconcentração acontece”, disse Synthia.

Nas obras de infraestrutura, as oito maiores empresas passaram a representar 10,8% do mercado em 2018, contra 26,5% de 2009. Segundo o estudo, a construção de edifícios, por sua vez, reduziu a concentração em 3,6 pp, registrando 6,8%, enquanto o setor que compreende os serviços especializados para construção (6,4%) se manteve relativamente estável, com queda de 1,6 pp no período analisado pelos pesquisadores.

Pessoal ocupado

A análise da distribuição do pessoal ocupado entre as atividades que compõem a indústria da construção mostra que as empresas da construção empregavam 1.869.592 pessoas no fim de 2018, redução em torno de 9,7% em comparação a 2009. Esse volume de trabalhadores recebeu, em 2018, R$ 53,3 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações.

A composição do emprego na distribuição por segmentos da atividade da construção se tornou mais homogênea. A maior parte do pessoal permaneceu com a construção de edifícios, que incorporou 37,5% das pessoas ocupadas em 2018, contra 43,6% de 2009. A atividade que engloba os serviços especializados para construção manteve a segunda posição e foi a que mais ganhou espaço na composição do pessoal ocupado, aumentando sua participação em 13,3 pp nesse período e representando 33,2% dos trabalhadores da construção. Em 2009, tinha-se 19,9% do total.

A terceira posição é ocupada pelas obras de infraestrutura, que vêm perdendo espaço na composição de mão de obra desde 2009, com uma redução de 7,2 pp em dez anos (de 36,5% para 29,3%). 

Ao mesmo tempo que perde espaço no perfil de empregos, essa atividade também enfrenta redução substancial no porte das empresas, passando de uma média de 92 pessoas, em 2009, para 43 pessoas em 2018. 

“É um setor que emprega muito e, mais importante que isso, é o que paga salários mais altos”, disse a economista do IBGE. “Com isso, a gente vai percebendo que a remuneração dessa atividade em 2018 também cai”.

Remunerações

No item remunerações pagas aos seus trabalhadores, o indicador de salário médio mensal da indústria da construção é obtido pelo salário pago à atividade, dividido pelo salário mínimo vigente à época.

Comparando os salários médios pagos em 2009 e em 2018, verifica-se que a construção pagou, em média, 2,3 salários mínimos em 2018, menor valor registrado nos últimos dez anos.

As obras de infraestrutura, que historicamente têm a remuneração média mais elevada da construção, registrou 2,8 salários mínimos mensais para cada trabalhador, em 2018, com queda de mais de meio salário mínimo na remuneração mensal de seus empregados entre 2009 e 2018. Em 2009, eram pagos 3,4 salários mínimos.

Segundo a pesquisa, os salários pagos na atividade de construção de edifícios, assim como na dos serviços especializados para construção, mantiveram-se com média de 2,1 salários mínimos, preservando a estrutura observada ao longo da década.

Com base nos valores calculados pela divisão dos salários, retiradas e outras remunerações pelo salário mínimo anual, incluindo o décimo terceiro salário e, em seguida, pelo total de pessoal ocupado nas empresas, constata-se que o cálculo do salário mínimo anual resultou em R$ 5.990,83, em 2009, e R$ 12.402,00, em 2018.

Custos

Em 2018, os gastos de pessoal responderam por 32,2% dos custos e despesas na construção, mostrando estabilidade em comparação a 2009 (30,8%), seguidos pelo consumo de materiais de construção (22,9% do total, contra 25,3% há dez anos). 

Já as obras e serviços contratados a terceiros foram responsáveis por 9,6% dos custos e despesas em 2018. Representavam, em 2009, 11,3% do total. 

Esses dois últimos itens perderam participação nos últimos dez anos, diante da modernização da produção e das novas relações de trabalho, entre outras transformações significativas enfrentadas pelo setor. 

“Os gastos com pessoal são os mais representativos nos custos e despesas da indústria da construção”, afirmou Synthia.

Regiões

A análise regional das empresas com cinco ou mais pessoas ocupadas mostra que a participação no valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção permaneceu inalterado em 2018, comparativamente a 2009: a Região Sudeste lidera com 49,2%, seguida do Nordeste (18,7%), Sul (17,2%), Centro-Oeste (8,7%) e Norte (6,2%).

As únicas regiões que apresentaram expansão na década foram o Sul, de 12% para 17,2%, e o Nordeste, de 16,8% para 18,7%.

Em termos de pessoal ocupado, o Sudeste brasileiro segue liderando em 2018, com 48,2% do volume de trabalhadores da construção (50,5% em 2009), seguido do Nordeste (20,4% contra 20,5%)), Sul (16,9%, contra 13,6%), Centro-Oeste (8,3% contra 8,6%) e Norte (6,2% contra 6,8%). 

A pesquisa evidencia, ainda, que somente a Região Sul registrou avanço na comparação com 2009, aumentando sua participação em 3,3 pp no período. “O Sul é uma região que vem avançando tanto em relação a valor gerado na construção, quanto no pessoal ocupado nessa atividade”, finalizou a economista. 

Comentarios

Previsão do tempo


MÁX

MIN

Estradas

Segurança

Colunas e Blogs

Geral

Política

Esporte

Variedades

Horóscopo Cigano

Horóscopo Cigano - de 2 a 8 de julho

  • COROA - 2 a 8 de julho

    (20 DE ABRIL A 20 DE MAIO) Uma força muito protetora surge em seus caminhos, é como se uma luz te guiasse para a resposta ideal colocando novas oportunidades à sua frente. Aproveite os bons momentos e siga em frente de maneira sábia, se desapegando de certas situações que só atrapalharam os seus caminhos e buscando novos dias muito mais proveitosos e seguros. No amor é hora de conversar e também de entender a opinião da pessoa amada.

  • CANDEIAS - 2 a 8 de julho

     (21 DE MAIO A 20 DE JUNHO) Momento oportuno para refletir sobre seus atos, muitas coisas aconteceram e fizeram com que tudo mudasse ao seu redor. Os planos não saíram como você desejava porém não é hora de desistir, dê um tempo para tudo, cuide um pouco mais de si mesmo(a) da sua espiritualidade enfim há um outro significado para tais questões e em breve muito breve você saberá de tudo. Apenas respire fundo e se prepare para uma nova fase em sua vida.

  • RODA - 2 a 8 de julho

    (21 DE JUNHO A 21 DE JULHO) Muitas das questões ao seu redor acabam atrapalhando o seu raciocínio, mudanças acontecem de acordo com o passar dos dias porém é necessário manter o equilíbrio e a fé. Assuntos familiares são  resolvidos durante a semana porém você permanece com a mesma opinião devido a pequenos imprevistos que surgem em seus caminhos. No amor a fase é de luz e respostas e você consegue entender-se mais com a pessoa amada.

  • SINO - 2 a 8 de julho

    (23 DE AGOSTO A 22 DE SETEMBRO) Na busca de dias melhores você se depara com algumas situações ainda mal resolvidas, e uma delas é o amor que ainda te deixa dúvidas e incertezas. Pense antes de agir e não se deixe confundir diante das situações, o seu coração pede uma mudança radical mas a razão te traz para o raciocínio lógico te mostrando que agora não é o momento de agir dessa forma. Você está naquele exato momento em que deve fazer silêncio diante de todas as situações.

  • MOEDAS - 2 a 8 de julho

     (23 DE SETEMBRO A 22 DE OUTUBRO) Uma nova oportunidade de recomeçar, de buscar dentro do seu eu interior novas respostas que façam mais sentido aos seus caminhos. Mudanças favorecem o seu astral, siga a sua intuição e transforme os seus dias. Com o decorrer do tempo tudo muda de maneira favorável e você consegue dar a volta por cima diante das situações. Bom momento para cuidar da sua saúde física e espiritual, voltando-se mais à sua fé você garante melhores respostas.

  • ADAGA -2 a 8 de julho

     (23 DE OUTUBRO A 21 DE NOVEMBRO) As novidades surgem em seus caminhos e você se inspira nas questões profissionais. É hora de arriscar diante das situações, busque o equilíbrio no profissionalismo deixando tudo acontecer de maneira favorável. Manter a calma nas questões amorosas é  mais sábio a se fazer no momento, pois imprevistos acontecem e nem sempre é motivo para se levar a ferro e fogo. Respire fundo e tenha uma conversa mais tranquila e agradável.

  • FERRADURA - 2 a 8 de julho

    (22 DE DEZEMBRO A 20 DE JANEIRO) Fase de fé e bons presságios,momento de luz e boas realizações onde você segue com mais entusiasmo e força. Os dias são favoráveis para o trabalho onde a sua criatividade vai estar em alta, os momentos são de força e otimismo e você consegue interagir diante das situações. No amor as suas dúvidas ainda permanecem porém é tempo de renovar os seus sentimentos e também de tomar decisões que te tragam mais alegrias.

  • TAÇA - 2 a 8 de julho

     (21 DE JANEIRO A 29 DE FEVEREIRO) Não é hora de fazer corpo mole diante das situações, busque resoluções favoráveis pois você sempre foi de correr atrás dos seus objetivos, só está cansado(a) diante dos fatos ao seu redor. Encontre a sua paz interior e continue firme com seus propósitos, você tem capacidade e muito de virar o jogo, só precisa se manter em estado de alerta diante dos seus objetivos. No amor tente controlar os seus impulsos e saiba separar os setores da sua vida.

  • CAPELA - 2 a 8 de julho

     (20 DE FEVEREIRO A 20 DE MARÇO) Fase de luz e boas realizações enfim você acorda para novas oportunidades e vence seus medos com fé e determinação. Construa uma nova oportunidade a si mesmo(a) e fuja de situações embaraçosas que possam vir a atrapalhar o seu progresso. No amor evite fantasiar as situações, seja mais exato(a) diante das questões, faça acontecer de maneira positiva e não se deixe levar por brigas desnecessárias que só afastam a pessoa amada de você.

  • PUNHAL - 2 a 8 de julho

    (21 DE MARÇO A 20 DE ABRIL) Organize-se mais , busque o equilíbrio diante das situações pois é hora de rever conceitos e buscar a melhor resposta. Mesmo que você não concorde muito com algumas situações é hora de buscar as respostas e elas podem vir de um lado contrário porém é a ideal no momento. Busque a paz acima de tudo e todas as questões serão diferentes, tanto no amor como na área profissional que te deixou muitas dúvidas.

  • ESTRELA - 2 a 8 de julho

      (22 DE JULHO A 22 DE AGOSTO) Fase de renovação e fé, você passa por transformações significativas em seus caminhos, quer resolver tudo de maneira positiva porém ainda existe a necessidade de esclarecer certos assuntos que ainda interrompem o seu progresso. No amor é hora de apostar no novo, na busca de novas alegrias e na positividade , criar dias melhores e situações mais agradáveis sabendo entender a pessoa amada e se desapegando das desconfianças.

  • MACHADO - 2 a 8 de julho

    (22 DE NOVEMBRO A 21 DE DEZEMBRO) Dentro em breve você estará bem em todos os sentidos, vai se sentir melhor quando conseguir resolver um assunto importante. Muitas verdades serão esclarecidas porém o seu coração está decidido a mudar, mesmo que uma resposta positiva surja em seus caminhos o seu destino já aponta uma nova jornada, uma nova história repleta de muitas alegrias. Volta a brilhar dentro de você aquela energia contagiante que eleva o seu astral.