Sífilis: uma doença silenciosa que cresce a níveis alarmantes | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Geral
Foto: Reprodução / Internet

Sífilis: uma doença silenciosa que cresce a níveis alarmantes

Segundo Boletim do Ministério da Saúde, a maior incidência é entre jovens e gestantes


29 de abril de 2019 às 10:09
Por Da Redação

O aumento da incidência de sífilis, Doença Sexualmente Transmissível (DST), em todo o país tem alarmado a saúde pública. De acordo com dados do Ministério da Saúde, publicados em novembro de 2018, até a última atualização, foram notificados 87.593 casos de sífilis adquirida, com maior incidência na região Sudeste.


Participe dos nossos grupos ℹ  https://bit.ly/2V5uzJq 🕵♂ Informe-se, denuncie!


Segundo o levantamento, o índice mais preocupante está entre as mulheres grávidas, cujos casos cresceram 28,4% entre 2017 e 2018. Com isso, o percentual de sífilis congênita (transmitida ao feto pela placenta) também cresceu de forma expressiva. Em 2016, foram notificados 6,8 casos a cada mil nascidos vivos. Em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 12 milhões de pessoas são infectadas. 


A ginecologista e coordenadora do programa Saúde da Adolescente, da Secretaria da Saúde do estado, Albertina Duarte Takiuti explica que um dos principais fatores que proporcionaram o aumento da doença e a falta de uso de preservativo. Disse ela: “A sífilis é transmitida principalmente através da relação sexual desprotegida, inclusive no sexo oral”.


A doença, causada pela bactéria Treponema pallidum, é silenciosa. Os sintomas começam com feridas indolores, geralmente nas regiões genitais. Depois de alguns dias, desaparecem, no entanto, a sífilis continua no organismo e pode permanecer assintomática por anos. A ginecologista comenta: “O paciente, na maioria das vezes, não sabe que está infectado e só acaba descobrindo em um estágio avançado da doença”.


O perigo, por ser silenciosa é que, quando não tratada de forma precoce, a sífilis pode causar cegueira, doenças cardíacas, afetar o cérebro, o sistema nervoso e, até mesmo, levar a óbito.


Apesar da gravidade, a sífilis é tratável e detectada por meio do mesmo teste de HIV, que consiste na coleta de sangue da ponta do dedo. O resultado é preciso e fica pronto em poucos minutos. O tratamento é feito com antibióticos, oferecidos gratuitamente pelo SUS.

Últimas Notícias

Os melhores do litoral

Confira algumas das melhores dicas de todo o litoral