Guarujá desenvolve, há 20 anos, programa pioneiro contra a obesidade infantojuvenil | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Geral
Foto: Helder Lima/PMG

Guarujá desenvolve, há 20 anos, programa pioneiro contra a obesidade infantojuvenil

Programa Docinhos atende na Unidade de Especialidades em Obesidade e Diabetes Infantojuvenil, no bairro Santa Rosa


16 de outubro de 2018 às 12:21
Por Da Redação

A luta contra a obesidade infantojuvenil, que pode resultar em uma geração futura de obesos com problemas de saúde, recebe atenção especial em Guarujá. Para isso, o município desenvolve, há 20 anos, o programa Docinhos, na Unidade de Especialidades em Obesidade e Diabetes Infantojuvenil, no bairro Santa Rosa. A cidade é a unica, em toda a região da Baixada Santista, a realizar uma iniciativa do gênero, voltada ao público infantil e adolescente.


Desde abril deste ano, o programa Docinhos atende uma média mensal de 200 pacientes com idades entre 2 e 19 anos, cadastrados na unidade. Só no ano passado foram atendidos pelo programa cerca de mil pacientes.

 

Em alusão ao Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, celebrado no dia 11, e também a Semana da Criança, a unidade comemorou as datas com os pacientes na última quarta-feira, 10. A ação contou com palestras e confecção de receitas, por meio do projeto Sabor e Renda – que acontece em um caminhão móvel, de onde nutricionistas da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social (Sedeas) ensinaram pacientes e seus pais a utilizar alimentos saudáveis, que seriam normalmente descartados na cozinha, evitando o desperdício.

 

No ‘Docinhos’, a coordenadora do programa e nutricionista, Rosana Oliveira de Nóbrega, conta que as crianças e adolescentes assistidos aprendem a combater a obesidade, orientados por uma equipe multidisciplinar, formada por pediatra, endocrinologista, nutricionista, fisioterapeuta, psicóloga e professor de Educação Física.

 

Os pacientes vêm referenciados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Unidades de Saúde da Família (Usafas), e inicialmente são avaliadas pela pediatra Ana Cristina Martinez de Carvalho, que faz os encaminhamentos aos demais profissionais da equipe.

 

De acordo com a coordenadora, durante o programa, o público infantojuvenil junto com seus familiares – que exercem grande influência no comportamento alimentar dos filhos, são orientados a uma reeducação alimentar saudável – aproveitando os alimentos que têm em casa, incluindo feijão, arroz, carne, frango, peixe, hortaliças, verduras e frutas.

 

A prática de atividades físicas também faz parte do programa. Os pacientes são orientados a fazer exercícios, que junto com a reeducação alimentar são essenciais para o sucesso da eliminação do excesso de peso de maneira saudável.

 

Dada à importância da atividade física nesse processo, as secretarias de Saúde (Sesau) e a de Educação, Esporte e Lazer (Sedel) se uniram com o objetivo de ampliar o número de vagas nos Centros de Atividades Educacionais e Comunitárias (Caecs) para atender esses jovens que participam do programa.

 

Conforme explica Paulo Fernando Montovanelli - professor de Educação Física da Sedel e que integra a equipe multidisciplinar, as principais causas da obesidade infantil estão atreladas à rotina, desde o momento em que eles acordam, ocasionadas por erro alimentar, uso do celular e jogos por várias horas, além de sedentarismo. “O exercício físico, aliado a uma alimentação saudável é fundamental para o sucesso do emagrecimento”.

 

Consultas lúdicas

As consultas, que são realizadas mensalmente e, dependendo do caso, a cada 15 dias, tem como base atividades lúdicas no âmbito da educação alimentar e promoção de estilos saudáveis. Os pacientes aprendem a montar seus pratos e entendem que têm que colocar nesse prato vários tipos de alimentos com baixa caloria.

 

“Trabalhamos tudo isso com o que eles têm em casa. Nada de produtos light ou diet, que são muito mais caros. Seguindo direitinho o programa eles obtêm excelentes resultados”, diz a pediatra. Também de forma lúdica, eles têm contato com uma peça simulando gordura para sentir o quanto perderam de gordura corporal cada vez que emagrecem.

 

Controle da diabetes

Nádia Soares Costa, coordenadora da Unidade de Especialidades e do ‘Docinhos’, diz que uma inovação do programa é o monitoramento no tratamento dos pacientes com diabetes tipo 1 (diabete mellitus), por meio de recurso tecnológico por meio de um leitor óptico, que acompanha se ele está usando os medicamentos adequadamente.

 

“Também temos à disposição outro aparelho conectado a um aplicativo de smartphone, que possibilita tanto aos pais quanto aos médicos um melhor monitoramento desses pacientes”, conta a coordenadora lembrando que são feitos 94 testes por mês, que possibilitam saber se o paciente está fazendo o tratamento adequadamente. ”Os testes são necessários para aplicação de insulina”.

 

Crianças e adolescentes que precisarem e quiserem o serviço devem entrar em contato com a Unidade de Especialidades e marcar uma consulta com a pediatra ou agendar uma avaliação. O telefone para contato é o (13) 3383-2025.

Últimas Notícias