Bertioga aumenta em 41% a coleta seletiva | Sistema Costa Norte de Comunicação
Logo do Jornal Costa Norte
|
Geral

Bertioga aumenta em 41% a coleta seletiva

Meio Ambiente atuou com mais um veículo durante os últimos 12 meses


06 de fevereiro de 2018 às 17:18
Por Marina Aguiar
Coleta seletiva é realizada por meio de uma cooperativa de catadores de recicláveis, a Coorb, que mantém 26 cooperados
Coleta seletiva é realizada por meio de uma cooperativa de catadores de recicláveis, a Coorb, que mantém 26 cooperados Foto: Renata de Brito/PMB

A coleta seletiva de resíduos sólidos aumentou nos últimos 12 meses em Bertioga. Houve um aumento de 41% com o serviço de recolhimento do material reciclável coletado. Para isso, em junho de 2017, a Secretaria de Meio Ambiente passou a operar com mais um veículo, o que colaborou para que os resultados fossem alcançados. 

A coleta seletiva é realizada por meio de uma cooperativa de catadores de recicláveis, a Coorb, que mantém 26 cooperados.  De acordo com o coordenador de Planejamento Ambiental, Fernando Poyatos, com a ampliação do material coletado, os resíduos deixaram de ser enviados ao aterro sanitário e a administração foi beneficiada, conquistando uma economia nos recursos que seriam destinados para fazer o manejo desse tipo de resíduo.

Em 2016, foram coletadas 495 toneladas de material reciclado. Em 2017, houve um aumento de 41%, fechando o ano com 700 toneladas de materiais recicláveis: “A mudança garantiu à municipalidade uma conquista no quesito socioambiental. Os materiais deixaram de serem enviados ao aterro sanitário, recursos naturais deixaram de ser consumidos, além da geração de renda aos cooperados e a reinserção dos materiais recicláveis à indústria", afirmou Poyatos.

A média da coleta de material reciclado no último trimestre de 2017 foi de 78 toneladas mês, representando um aumento de 59,96% em comparação com o mesmo período de 2016. Apesar de coletar um número significativo, Poyatos explica que ainda não alcançou o resultado esperado: “Nossa meta de médio a longo prazo, é ambiciosa, de alcançar 30% do que é coletado no município. Hoje conseguimos atingir cerca 3%”, disse.

Para o secretario de Meio Ambiente, Marco Antônio Godoi, o desafio é gigantesco: “Temos que unir a ampliação da coleta seletiva e a infraestrutura necessária para processar todo material”.

Segundo Godoi, o processo envolve investimento em equipamentos, máquinas, obras e acima de tudo, a sensibilização e mobilização da população quanto à adesão ao programa de coleta seletiva. “A educação ambiental é propulsora desse movimento, onde a forma de consumo deve ser trabalhada, buscando sempre a redução”, concluiu.

Últimas Notícias