Forte são joão: do abandono a 40 mil visitações - Sistema Costa Norte de ComunicaçãoBertioga-Especial | Sistema Costa Norte de Comunicação
Voltar para especial bertioga

Em dezembro do ano passado, a administração do Forte São João foi passada para a Prefeitura Municipal pelo Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Iphan), resultado do trabalho de revitalização e divulgação da mais antiga fortaleza construída em paliçada no Brasil, em 1532. O sucesso da iniciativa pode ser comprovado pelo número de visitações ao monumento, 40 mil pessoas desde a sua abertura em 19 de abril de 2001, durante a I Festa Nacional do Índio. De acordo com o responsável pelos monumentos do Iphan, arquiteto Victor Hugo Mori, em outras fortalezas da região o número de visitas não chega nem a 5% do apresentado em Bertioga. “Outros monumentos do Iphan na Baixada recebem cerca de 800 a 900 pessoas por ano”, compara. O Forte São João abriga armaduras, salas temáticas, quadros artesanatos indígenas e objetos que ajudam a contar a saga vivida no século 16, quando portugueses chegaram para colonizar uma região ocupada por índios canibais conhecidos na época como Tupiniquins, que se aliaram aos portugueses, e Tupinambás, da região de Ubatuba, aliados dos franceses.

Mais de 450 anos de história

Em 1532 foi erguida nas terras de Bertioga uma paliçada de madeira que recebeu o nome de Forte São Tiago. O objetivo era defender a entrada do canal da ação de índios, piratas e inimigos da Coroa de Portugal que pudessem atacar as vilas de São Vicente, Santos e São Paulo de Piratininga. Neste mesmo ano, Martim Afonso de Souza saiu com sua esquadra para fundar São Vicente.

Em 1547 a fortificação de madeira ganhou muros de alvenaria de pedra e cal. Em 1565, Estácio de Sá partiu do Forte para fundar o Rio de Janeiro. Com uma reforma em 1699, a fortificação ganhava suas características atuais sendo rebatizada em 1765 como Forte São João. Suas instalações foram usadas pelo Exército para abrigar as tropas até 1945. Sua última ocupação militar foi como quartel de pelotões de vigilância do 41 e 61 Batalhões de Caçadores defendendo a região da ameaça alemã durante a 2ª Guerra Mundial (1939/1945).

Com a autorização dos ministérios da Guerra, Marinha e Fazenda, a partir de 1958 a fortaleza passou a abrigar o Museu João Ramalho. A partir de 1962 foi transferido, junto com outras construções militares, para a jurisdição do Ministério da Educação e Cultura e Serviço do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. O Forte São João abrigou personalidades da história como os jesuítas José de Anchieta e Manoel da Nóbrega que tinham a missão de catequizar os índios.

Parque dos Tupiniquins valoriza a área do centro histórico

 

Toda a área do Forte São João, com 15.536,72 m² foi revitalizada para receber o nome de Parque dos Tupiniquins, em homenagem aos índios que habitavam a região no início da colonização do país. Há dois anos quem passava pelo Centro de Bertioga, no início da Praia da Enseada, encontrava um amontoado de casebres e sujeira, hoje o abandono dá lugar ao ar livre e a passeios com a família.

O Parque dos Tupiniquins conta com banheiros públicos, bancos, bebedouro e iluminação voltada para as copas das árvores, além da estátua do lendário Cunhambebe, o guerreiro Tupinambá. A obra iniciada em setembro de 2003 e concluída em março deste ano, custou R$ 45.809,46, sendo R$ 32.680,70 repassados pelo Fundo de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista e R$ 23.128,76, contra partida da Prefeitura.

O Parque foi inaugurado no dia 22 de abril durante a abertura da IV Festa Nacional do Índio, com a presença de 10 etnias indígenas e apresentação do Coral e Orquestra Bacarreli. Entre os convidados o diretor do Deinter-6, Alberto Corazza, destacou a importância cultural da iniciativa. “Essa era uma área abandonada e cheia de problemas. Hoje é um local revigorado, de lazer e cultura”.

Roteiro Histórico garante movimentação

Toda a rica história de Bertioga no período colonial do Brasil está aberta aos estudantes de todo o Estado e região através do inédito roteiro turístico histórico denominado Conheça a Nossa História. O passeio começa no Forte São João, onde professores e alunos descobrem fatos que não constam nos livros oficiais.

Pinturas em óleo sobre tela, armaduras e salas temáticas, levam os visitantes ao passado.

O roteiro inclui passeio de escuna pelo Rio Itapanhaú com orientação de uma bióloga que explica a importância dos ecossistemas e do manguezal. O passeio continua pela trilha que leva às ruínas da Ermida de Santo Antônio de Guaibê e ao Forte São Felipe, onde viveu o artilheiro alemão Hans Staden, antes de ser capturado pelos índios Tupinambás, do outro lado do canal, em Guarujá, onde José de Anchieta celebrou várias missas.

As escolas interessadas podem agendar o passeio diretamente no Forte São João, diariamente das 9 às 17 horas. Maiores informações pelo telefone 3317 4128.


Veja também

Bertioga é uma cidade segura

Em seu segundo mandato, o prefeito Lairton Gomes Goulart se...

2005

© 2018 Todos os direitos reservados ao Sistema Costa Norte Comunicação | Powered by Mundiware