Um Plano Diretor mais abrangente - Sistema Costa Norte de ComunicaçãoBertioga-Especial | Sistema Costa Norte de Comunicação
Voltar para especial bertioga

Um dos municípios com maior área de preservação ambiental do estado de São Paulo, Bertioga passa por um momento decisivo para seu desenvolvimento: promover a ocupação urbana de maneira ordenada, preservando o meio ambiente. Essa equação é de difícil resolução, uma vez que apenas 2,25% de seu território são de áreas propícias à expansão urbana. 

O diagnóstico elaborado pela Gaia Consultoria e Gestão Ambiental, a partir de relatórios e dados disponibilizados pela  municipalidade, revelou que, a se considerar as áreas urbanas já consolidadas, 7,4%, somadas às áreas ambientalmente protegidas, 88,1%, restam 4,5% de áreas de expansão urbana no município. Essas áreas possuem cobertura vegetal nas quais a legislação atual permite a ocupação máxima de 50% dos terrenos; desta forma, Bertioga possui, aproximadamente, 2,25% de áreas para expansão urbana.

Foto: Foto Nativa

 O estudo serviu de base para as discussões da revisão do Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentado (PDDS), cujo processo  vem sendo conduzido pela prefeitura de Bertioga. Desde o primeiro plano, que começou a vigorar em 1998, o município sofreu grandes transformações, principalmente, na área ambiental, com a criação do Parque Estadual Restinga de Bertioga (Perb), em 2010, o qual instituiu, como área de preservação permanente, 9.312,32 hectares de seu território.

 O município carrega com orgulho o título de protetor ambiental, contudo, é preciso acompanhar o desenvolvimento, que passa também pela ocupação urbana. Desde 2013, o Grupo Gestor do PDDS, formado por técnicos da prefeitura e representantes da comunidade, realiza audiências e consultas públicas, exigência do Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), para elaborar o novo texto, fundamental para estabelecer conceitos, objetivos e diretrizes gerais para a política urbana e ambiental do município.  

Durante os encontros com a comunidade, uma das demandas de maior destaque foi a questão da habitação. A falta de casas de padrão médio, para atender o morador de Bertioga, representou uma das principais reclamações da população. 

Foto: Foto Nativa

De acordo com o coordenador do Grupo Gestor Manoel Prieto Alvarez, o Plano Diretor anterior priorizava o adensamento na orla da praia, região na qual o valor dos terrenos é maior. Ele explica: “Com isso, somente quem tinha mais poder aquisitivo conseguiu comprar um imóvel em Bertioga”. Ele ainda revela que, na época, o conceito básico era de um município balneário, com um baixo índice populacional e que atraía muitos turistas. 

Em virtude da área reduzida para expansão urbana e a necessidade de oferecer ocupação de qualidade, com imóveis a preços acessíveis, a tendência é de que os terrenos sejam mais bem aproveitados, com aumentos da taxa de ocupação e do índice de aproveitamento. A nova legislação tende a ser menos restritiva, adequando-se à realidade, mas com foco nas questões de salubridade das edificações e na legislação ambiental.

Foto: Shin Shikuma

Para o coordenador do Grupo Gestor, a proposta do novo PDDS é menos elitista e voltada à implantação de empreendimentos habitacionais de padrão médio, diferente do atual Plano Diretor. A intenção é permitir maior adensamento em locais mais afastados da praia, cujo valor do terreno é menor. “Hoje, em terrenos de 999 metros quadrados, só é permitido construir duas casas geminadas. Não podemos nos dar ao luxo de subutilizar os terrenos dessa forma. É possível construir mais casas, sobrepostas, por exemplo, com qualidade, ocupando melhor o terreno e oferecendo imóveis a preços acessíveis”.

 Alvarez acredita que, com a nova legislação que está sendo proposta, a cidade passará por uma transformação positiva. Muitos imóveis antigos no Centro, atualmente abandonados, poderão dar lugar a várias casas. Ele explicou: “Hoje, as pessoas precisam de menos espaço para morar, além disso, a realidade econômica do país é outra. Tenho certeza que será criado um círculo virtuoso de novos negócios na área imobiliária”.

Foto: Shin Shikuma

 A nova proposta do PDDS ainda está sendo discutida pelo Grupo Gestor, que vai elaborar uma minuta de projeto de lei a ser apresentada em três audiências públicas e uma conferência para definição final do texto. Só então o documento será encaminhado para apreciação do Legislativo municipal.  


Veja também

Ponto de encontro de celebridades

No bairro Indaiá, o armazém de Antonio Rodrigues atuou como ...

2015

© 2018 Todos os direitos reservados ao Sistema Costa Norte Comunicação | Powered by Mundiware